top of page

aventuras pugilísticas: com STEVE COSTIGAN, UM MARINHEIRO HOWARDIANO

Atualizado: 26 de out. de 2021

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR DE STEVE COSTIGAN? UM MARINHEIRO HOWARDIANO ENFRENTANDO

SEUS OPONENTES USANDO O PUGILISMO DE MÃOS NUAS PELOS PORTOS DO MUNDO?


Por Marcelo Alves

Ilustração de Ruth & Jim Keegan


Então... Vamos falar um pouco sobre mais um novo personagem escrito por Robert E. Howard para o público brasileiro. Na verdade, o marinheiro Steve Costigan não vem a ser um personagem tão novo nesse universo criado por Howard. Sempre lembrando que seu bárbaro mais famoso, o Conan da Ciméria, nasceu em 1933. Mas, e o Steve Costigan, nasceu em que ano dentro desse mercado da indústria dos pulp magazine estadunidense?


Como todos sabem, Robert E. Howard foi capaz de criar, em poucos anos, uma série interminável de personagens e vários ciclos narrativos sobre eles. Como exemplo, Howard escreveu uma série de contos pugilísticos cujo protagonista era um marinheiro e boxeador brigão chamado Steve Costigan.


Mares, portos do extremo oriente, aventuras, intrigas e... BOXE. Uma mistura um tanto diferente nas narrativas de Howard para quem já vem acompanhando as histórias de Espada & Feitiçaria do escritor de Cross Plain com Conan, rei Kull, Bran Mark Morn e Salomon Kane. Mas Robert E. Howard foi muito mais criativo para entrar em outros mercados da indústria pulp dos anos de 1930. Ele se aventurou em escrever histórias de boxe misturando narrativas que englobavam “mares, portos do extremo oriente, aventuras, e intrigas com boxe”. Isso mesmo! Com boxe. E, para conseguir um realismo sangrento nas cenas de luta de boxe que ele narrava nos contos de Steve Costigan, Howard praticou durante a sua juventude esse esporte. Daí o fato de termos uma narrativa bastante verosímil, em se tratando de golpes e termos utilizados no próprio boxe, quando lemos essas histórias. Podemos também acrescentar a habilidade narrativa da qual o nosso autor era versado.

Basicamente, Robert E. Howard escreveu 34 histórias com o marinheiro Steve Costigan e, ao menos, 3 fragmentos inacabados com o personagem. Dessas 34 histórias, estão incluídos os contos do marinheiro Dennis Dorgan como se os dois fossem o mesmo personagem. E o são! Mas, qual é a razão para que Howard apenas trocasse o nome do personagem, deixando as mesmas características físicas, os mesmos amigos e até mesmo o cachorro que acompanhava o Steve Costigan em várias tramas de Dennis Dorgan ? A história é bastante simples.

Desde o ano de 1929, Howard havia conseguido mercado para vender as histórias de Steve Costigan nos pulp magazines Fight Stories e Action Stories (duas revistas pulp especializadas em contos de aventuras) que publicavam alternadamente e regularmente os contos do marinheiro howardiano. Mas, a partir de 1932, essas duas revistas vão fechar as portas devido aos impactos da Grande Depressão Econômica que assolou os Estados Unidos desde 1929 quando estourou a Quebra da Bolsa de Valores de Nova York. Então Howard ficou sem mercado para publicar suas histórias do Steve Costigan durante dois longos anos. E, como Howard era um escritor prolífico, ele havia escrito muitas histórias de Steve Costigan que ficaram “encalhadas” em seu arquivo pessoal.

Entretanto, o agente literário de Howard, Otis A. Kline, encontrou uma maneira para vender esse material inédito sobre o marinheiro Steve Costigan que Howard já havia escrito: eram as revistas de aventuras orientais. Mas, Robert E. Howard já estava inserido nesse mercado das histórias orientais desde os anos de 1931 (quando uma história sua foi publicada na edição do mês de fevereiro/março na Oriental Stories). Para as políticas editoriais da época, não era permitido que um mesmo autor tivesse duas histórias suas publicadas na mesma revista. Mas Howard burlou essa regra. Disfarçou o nome de seu personagem – anteriormente chamado Steve Costigan na Fight Stories e Action Stories – para Dennis Dorgan, e mudou o nome de seu buldog para Mike; e o navio em que navegava tornou-se o Python. Mas agora também era preciso um novo nome para assinar suas histórias: e Howard passou a usar um pseudônimo nas revistas em que apareceram os primeiros contos de Dennis Dorgan.

E Dennis Dorgan apareceu em janeiro de 1934 na Magic Carpet Magazine (a antiga Oriental Stories), com o conto Alleys of Darkness. E, dentre os contos de Steve Costigan/Dennis Dorgan vendidos para a Magic Carpet Magazine, nem todos foram publicados simplesmente porque esse pulp durou apenas cinco edições (de janeiro de 1933 a janeiro de 1934) depois que o seu nome mudou de Oriental Stories para Magic Carpet Magazine. Desses contos vendidos e não publicados temos: «The Jade Monkey», «The Yellow Cobra», «The Turkish Menace».


Uma história surreal essa do Howard, não é mesmo? Mas ele precisou fazer isso para não perder o seu “ganha pão” para sobreviver, afinal, Robert E. Howard era um escritor profissional e vivia de escrever contos para as revistas pulp da época. E naquele período em que as duas revistas (a Fight Stories e a Action Stories) que publicavam as histórias do Steve Costigan fecharam as portas, Howard ficou sem mercado para vender seus contos de boxe.


Após dois anos de interrupção (de 1932 a 1934), os contos de Steve Costigan são retomados, com mais três aventuras que foram publicadas, agora, em outro pulp. Na verdade, William H. Kofoed, ex-editor da Fight Stories, estava encarregado de criar uma nova revista de boxe em 1934, chamada Jack Dempsey’s Fight Magazine. E ele, lembrando-se das histórias do Steve Costigan que apareceram na Fight Stories, pede a Howard por outras aventuras do marinheiro brigão. Infelizmente, esta revista teve apenas três edições, de maio a agosto de 1934, cada uma contendo uma aventura de Costigan.


Antes da Jack Dempsey’s Fight Magazine deixar de ser publicada, William H. Kofoed havia aceitado três outras histórias do Steve Costigan e um conto de boxe “sério”, « Fists of the Desert » de Howard. Mas, a publicação das histórias do marinheiro howardiano é definitivamente interrompida.


Mas, realmente, quem é esse personagem Steve Costigan? Vejamos um pouco a sua descrição : Steve Costigan é um dos últimos marinheiros de um período de transição da navegação das embarcações a vela para os navios à vapor do início do século XX. Mas como assim? Costigan não era um simples marinheiro viajando pelo mundo a procura de aventuras e lutas ? Sim ! Era isso também, mas ele era um marinheiro nos últimos anos da navegação à vela, e um boxeador durante um período em que o esporte das quatro cordas em um ringue começava a mudar drasticamente para regras mais esportivas e menos brutais para os seus contendores. Lembremos que Steve Costigan chegou a participar de lutas de boxe nos portos em que ele passava usando apenas as mãos sem nenhum tipo de proteção para os pulsos, como hoje são usadas nas luvas de boxe.


Assim como a grande maioria dos personagens criados por Howard, Steve Costigan é um homem grande, com um metro e sessenta e oito de altura, noventa e cinco quilos de peso com uma massa de cabelos negros indomáveis e olhos azuis. Entretanto, Costigan não é um gigante e nem tem a força descomunal como alguns personagens howardianos tem. Sua destreza de luta e habilidades vem de uma vontade ferrenha de nunca se render. Talvez esse seja o ponto mais interessante na personalidade de Steve Costigan: ele nunca se rende, mesmo quando o seu adversário é mais forte ou até mesmo mais habilidoso.


Ao escrever sobre Steve Costigan e suas aventuras, Howard criou um personagem que era impulsivo, leal, violento, cavalheiresco, orgulhoso, generoso, imprudente, corajoso e obstinado. Apesar de todos os seus muitos “defeitos”, ele é um personagem que é muito difícil de não ser apreciado.


Em uma biografia escrita por MATTHEW BAUGH sobre Steve Costigan, ele nasce, em 1903, de uma família de imigrantes irlandeses em Galveston, no Texas, com o ramo de sua família aparentados com os Lynch e os O’Sullivan. Bem, com essa ascendência irlandesa correndo nas veias do personagem Steve Costigan, o que mais poderíamos falar sobre essa predileção de Howard em atribuir em alguns de seus personagens, a sua própria origem maternal? (já que a própria mãe de Robert E. Howard era descendente de imigrantes irlandeses nos Estados Unidos).


Então... Só nos resta mesmo é lermos uma história desse personagem para conhecermos um pouco de suas aventuras!!


315 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


Ricardo Reis
Ricardo Reis
Oct 25, 2021

Belo artigo. Só fiquei sentindo falta de citarem qual foi o pseudônimo que Howard usou. E algo que notei, não sei se está correto: "Steve Costigan é um homem grande, com um metro e sessenta e oito de altura, noventa e cinco quilos de peso..."

Cara alguém com essa altura e esse peso, tá longe de ser um cara grande, só se for na circunferência da barriga, para ter 95 kg espalhados em apenas 1,68.

Like
bottom of page