Almuric - Ficção Científica ou Espada & Planeta por Robert E. Howard

REH escreveu poucos romances e pouca ficção científica; Almuric é um romance sci-fi, portanto uma exceção na carreira literária do autor.

Por Etienne Navarre

Esaú Cairn, enfrentando criaturas aladas no planeta Almuric. Ilustração por Mark Schultz.

Muito poucas em quantidade em relação ao restante de seu trabalho, as histórias de ficção científica de Howard são como jóias, talvez por serem uma ínfima parte de sua grande produção. O mesmo pode ser dito de seus romances, que podem ser contados nos dedos de uma mão. Almuric é um desses poucos romances e também é um romance de ficção científica (ou do sub-gênero Espada & Planeta). A fantasia científica do estilo Howard investiga os temas que mais lhe interessam : homens abandonados nas ilhas desertas, onde são confrontados com a aniquilação, lutadores incansáveis ​​buscando ajuda científica para impedir a vitória de seus inimigos, personagens que retornam de algo pior que a morte para aterrissar em um mundo à beira do abismo, homens sábios que criam monstros sem nenhum olhar moral, gênios que pretendem dominar o mundo, pesquisadores que podem salvar nosso planeta, mas relutam em fazê-lo, guerreiros que fogem da Terra para alcançar um mundo onde sua selvageria os faz ter sucesso...

Ilustração de Tim Conrad.

É o que acontece com este romance de Robert E. Howard. Um lutador, um homem excepcional em nossa Terra, vai parar sem saber como ou porque em um mundo onde ele pode desenvolver ao máximo todas as características que tornam os heróis de Howard o paradigma do bárbaro e o do bravo lutador. Se o restante do trabalho de Howard não é enquadrado no campo da ficção científica, Almuric também requer um certo esforço para ser considerado como tal. A ficção científica precisa de uma certa dose de especulação que não encontramos aqui. São aventuras no estilo de Otis Adelbert Kline, John Buchan ou Leigh Brackett. Então, se não é ficção científica, o romance de Howard é... Bem, é o habitual, é um romance de Robert E. Howard. Almuric não é um exatamente um romance de ficção científica, e pode não ser em termos de desenvolvimento, mas o que foi tirado dele, onde um cientista tece os fios para enviar Esau Cairn ao distante planeta Almuric, é claramente ficção científica, mas o estilo de ficção científica de Edgar R. Burroughs (John Carter of Mars): pouca ciência e, quando há, faz pouco sentido. Não há explicações além daquelas que podem ser derivadas da própria ação da obra. "Almuric" é um romance curto e, como tal, foi concebido por Howard, mas foi publicado postumamente em três números (o primeiro, maio de 1939) de Weird Tales, e foi somente em 1964 que foi publicado como um romance, pela editora Ace Books.

Almuric foi publicado como romance apenas em 1964, pela Ace Books. Ilustração de Jack Gaughan.

Tem pouco mais de 130 páginas, divididas em prefácio e doze capítulos. É narrado na primeira pessoa pelo próprio Esau Cairn, exceto o prefácio, que é narrado na primeira pessoa pelo cientista que o envia a Almuric.

Resumo da obra : Esau Cairn é um homem de físico portentoso, mas ele não tem lugar na sociedade humana de seu tempo. Com a ajuda de um cientista, ele viaja para o planeta Almuric, semelhante à Terra, mas muito mais hostil e perigoso. Lá ele viverá aventuras que o enfrentará aos habitantes bárbaros do planeta, primeiro a uns seres rudes chamados guras e depois a outros seres abjetos e demoníacos chamados yagas, até que se enfrente com sua rainha má Yasmeena. Ele não tem tempo para relaxar ou refletir demais. Desde que apareceu em Almuric, Esau está em constante perigo, e ele continua a enfrentar bestas, guras, yagas e seus escravos, homens de pele azul chamados ekkis, que os obedecem cegamente e os adoram como deuses. A gravidade, a atmosfera, o clima e os habitats de Almuric também lhe permitem sobreviver sem problemas. O importante é a ação transbordante, os eventos que acontecem sem dar uma pausa ao protagonista; as lutas contra rivais formidáveis, as grandes batalhas multitudinárias e que no final "os bons vencem", ou seja, na eterna luta entre o bem e o mal, o primeiro vence. O mundo de Almuric permitiria a Robert E. Howard definir muito mais histórias, tanto de Esau Cairn quanto de outros personagens. Por exemplo, existe um "cinturão", uma cadeia de montanhas altas, atrás da qual existe um mundo desconhecido pelos guras (eles até acham que Esaú vem daí), do qual os yagas recebem escravos de pele amarela e acobreada. Também é citado que os guras não são os primeiros habitantes de Almuric, mas existem ruínas antigas e magníficas,de cujos construtores ignoram tudo. É possível que o suicídio do autor tenha interrompido, juntamente com o restante de seu corpus literário, o desenvolvimento de novas aventuras no planeta.

Ilustrações de Virgil Finlay para a primeira parte de Almuric, para Weird Tales de maio de 1939.
Ilustrações de Virgil Finlay para a segunda e terceira partes de Almuric, para Weird Tales (junho e agosto de 1939).

É um trabalho altamente recomendado como leitura de entretenimento, porque esse era seu destino inicial. Descobrir um mundo fascinante, de histórias cheias de ação, sangue, membros decepados, feitos físicos impossíveis, batalhas campais; monstros cegos, mais velhos que o mundo, de poder devastador e derrotados in extremis por um golpe desesperado. De certa forma, Howard escreve no estilo Howard, não podemos negar isso, e entrar em especulações científicas, não acreditamos que isso estivesse em sua mente, nem nesta nem em nenhuma das suas pouquíssimas histórias de sci-fi.

117 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo