ENTREVISTA bilingue ESCRITA COM BILL CAVALIER - INTEGRANTE DE UMA DAS ORGANIZAÇÕES DO HOWARD DAYS

Atualizado: Abr 16

Por Marco Antonio Collares

Diagramação do texto: Marcelo Alves



Howard Days de 2013. Da esquerda para a direita. Lee Breakiron, Jeff Shanks, Deuce Richardson, John Bullard, Tim Arney, Al Harron, Barbara Barrett, Bill “Indy” Cavalier.


Entre essas organizações podemos enumerar:

Pride Project, que administra o museu onde se encontra a casa em que vivia Howard em Cross Plains, além da Fundação Robert E. Howard e da Robert E. Howard United Press Association (REHupa), com apoiadores e estudiosos da vida e obra de Robert Ervin Howard.


Introdução


No Ano passado, lá por junho ou julho, eu postei algo em um grupo de facebook dos EUA, uma postagem sobre a figura de Lyon Sprague de Camp. Algo um tanto virulento, ouso dizer, criticando o conhecido editor e escritor de fantasia, muito pelo fato dele se colocar, segundo minhas palavras na respectiva postagem, como uma espécie de co-criador de Conan.


Um certo Bill Cavalier respondeu e me perguntou em que lugar eu tinha lido que De Camp tinha, em algum momento de sua vida, afirmado-se como co-criador de Conan. Disse-me também que ele conheceu o homem por 16 anos e que De Camp era uma pessoa muito agradável e que eu deveria deixar o falecido em paz. De imediato, eu procurei alguma citação sobre De Camp se considerar ou não um co-autor de Conan e percebi que Cavalier tinha razão em sua critica a minha postagem, pois o homem não manifestou isso em palavras, mas sim outras pessoas o fizeram.


No máximo dos máximos, eu encontrei, em algumas capas de livros escritos e editados por De Camp, algo como o nome dele ser uma espécie de colaborador de Howard e pensei se eu não estaria sendo muito exagerado em minha crítica ao editor dos livros da Lancer, mesmo sem saber, até aquele momento, quem era o tal de Bill Cavalier.


Em outro momento, entrevistamos no canal do Fórum, Conan o Bárbaro, o simpático Rusty Burke, ele que é reconhecido por muitos como um dos maiores expoentes nos estudos sobre a vida e obra de Robert Howard. Falamos sobre o Howard Days, o evento que ocorre em Cross Plains no mês de junho, todo ano desde 1986, as exceções de 1994 e agora, de 2020 (no primeiro caso, por questões climáticas e agora, no ano passado, devido a pandemia).


No meio da entrevista, eu perguntei sobre o processo de inscrição e participação no evento e Burke me respondeu que eu deveria falar com Bill “Indy” Cavalier para me informar melhor sobre o assunto. Eis que percebi que o nome daquele senhor que tinha me questionado na tal postagem (de forma muito direta e bem-educada, mas veemente e ouso dizer, com toda a razão) era alguém importante e tratei de me informar melhor sobre as coisas.


Vi o nome de Bill no site do famoso evento, assim como no da REHupa, a associação internacional de estudos sobre Howard, como sendo uma especíe de secretário da mesma, aquele que cuidava, entre outras coisas, das inscrições na associação. De imediato eu entrei em contato com Cavalier via facebook, tanto para me informar sobre formas de me inscrever na associação, como para tentar, quem sabe, uma conversa online com ele no canal. Bill Cavalier me afirmou que preferia não participar de nada por vídeo e então tive a ideia desta entrevista escrita que agora publicamos no blog.


Pois Bill Cavalier deve ser lido e conhecido em nossas terras, afinal, ele é um dos primeiros caras que iniciaram muito do que temos hoje em dia no que concerne a eventos, publicações e conteúdos sobre esse escritor que tanto gostamos, ao lado de outros importantes nomes, claro. Ano passado ainda, adquiri um livro interessantíssimo, por indicação de outro crítico veemente de algumas postagens que faço (algo que considero muito positivo para meu aprendizado), Scotty Henderson. O livro em questão chama-se, “The Man From Cross Plains: a celebration of Two-Gun Bob Howard”, editado por Dennis Machaney e com artigos dos caras mais feras da associação internacional de estudos sobre Howard.


No livro em questão, temos nomes conhecidos nos EUA, do porte de Fred Blooser (que publicou um livro fantástico sobre Howard e que já adiquiri no ano passado), Rusty Burke (que já dispensa apresentações), Davd Burton, Ed Chaczyk, Mark Finn (que escreveu uma das biografias mais interessantes que já li sobre Howard), Tom Foster, Gary Gianni (ilustrador dos mais renomados dos personagens howardianos), Chris Gruber, Scotty Henderson, Paul Herman, Don Herron (nome que me ajudou muito no meu mestrado sobre o famoso texano, autor da primeira obra que li em inglês sobre Howard), Glenn Lord (que também dispensa apresentações, sendo o maior nome de todos os tempos nos estudos e no legado de Howard), Patrice Louinet (um dos grandes nomes também, doutor em Howard na França, editor da Glenat e relevante em tantas outras coisas sobre o texano), Dennis MacHaney e outros tantos, mas contendo entre todos esses expoentes, o nome do crítico de minha postagem: Bill Cavalier.


Ao final da obra em questão, com artigos deveras interessantes e relevantes para um iniciante estudioso que sou da obra e vida de Howard, consta ali uma breve trajetória de cada um desses importantes membros da REHupa, grandes estudiosos, fãs, colecionadores e entusiastas de Howard, sendo Bill o nome que entrevisto nas linhas que se seguem.

Já deixo claro que considero que valeu muito a pena a postagem que deu origem a esse breve empreendimento. A crítica foi deveras positiva e hoje, graças a Bill e a outros expoentes da associação, entendo um pouco mais sobre as questões envolvendo o nome de Howard, ainda que um longo caminho eu ainda precise trilhar. A entrevista que se segue, é parte integrante deste caminho que pretendo seguir para entender um pouco mais sobre um dos meus escritores preferidos.


Marco Antonio Collares



FÓRUM: Bill, o site do evento, Howard Days (http://www.howarddays.com/) é muito explicativo sobre o que é o evento, as atividades, as datas, a história do próprio evento. Mas os fãs brasileiros ainda sabem muito pouco sobre este encontro tão importante, que acontece desde 1986, se não me engano. Conte-nos um pouco sobre essa história. Rusty Burke falou um pouco em nossa entrevista online no canal que temos, mas se puder, fale um pouco mais.


Bill Cavalier: O primeiro Howard Days “oficial” ocorreu entre 13 a 15 de junho de 1986. Em 1985, Rusty Burke e Vern Clark viajaram para Cross Plains, no Texas, como dois fãs de Robert E. Howard e eles queriam ver a cidade de Howard. Eles tiveram a sorte de conhecer dois residentes de Cross Plains na biblioteca da cidade: Joan McCowen e Billie Ruth Loving. Essas senhoras foram fundamentais em seu apoio e incentivo à ideia de Rusty de ter um grupo de fãs de REH em Cross Plains. Então Rusty organizou uma reunião de fãs em 1986. Acabou sendo um evento internacional. Graeme Flanagan da Austrália, Tomas Kovacs e Steve Ghilardi da Suíça, Nancy A. Collins e Mark Kimes da Louisiana, Vern Clark de Maryland, Bill Cavalier de Indiana, Glenn Lord, Rusty Burke e Bill Fulwiler do Texas participaram dos primeiros Howard Days. O "tema" do encontro do Howard Days continuaria pelos próximos anos, sendo um encontro em junho para almoços e eventos sociais com sorvete, principalmente para arrecadar fundos e aumentar a consciência dos residentes de Cross Plains de que um autor mundialmente famoso viveu em sua cidade. L. Sprague de Camp (famoso editor de Conan e escritor de fantasia) compareceu a vários deles, assim como Glenn Lord (representante dos herdeiros dos espólios literários de Howard por longos anos). Em 1989, outra reunião de fãs foi realizada para celebrar a compra da Howard House por um grupo da comunidade local, o Project Pride, criado para servir à cidade e perpetuar o legado de Robert E. Howard. A casa foi reformada para se parecer com a época em que REH morava lá. O Museu Robert E. Howard foi inaugurado oficialmente em junho de 1992 e 150 pessoas compareceram. Os almoços, jantares e reuniões anuais de arrecadação de fundos ocorreram na casa durante a década de 1990, com exceção de 1994. Um tornado atingiu Cross Plains uma semana antes do Howard Days daquele ano e o evento foi cancelado. (Felizmente, a casa teve apenas pequenos danos no telhado.) Então, no ano de 1999, aconteceu o primeiro evento de dois dias, com Rusty Burke como orador e Convidado de Honra no jantar. Em 2000, o artista Gary Gianni (fantástico ilustrador de personagens howardianos) foi o Convidado de Honra e o “Pavilhão Alla Ray Morris” ao lado da casa foi inaugurado. Os primeiros painéis acadêmicos no Howard Days começaram em 2001 e o formato tem continuado desde então. O Howard Days adicionou mais painéis, um Banquete de Celebração e um Leilão Silencioso, além de almoço de cachorro-quente, adoção de um selo postal de souvenir anual, leituras de poesia e muitos eventos extemporâneos, junto com a bolsa de estudos Robert E. Howard de fim de semana.


Bill Cavalier em 2019, apresentando a história do Project Pride em Cross Plains


FÓRUM: Como faço para me inscrever e participar? Tudo é feito através do site e do e-mail? Vi que o evento é gratuito, com exceção de um jantar na sexta-feira anterior ao final de semana do evento. Como seria isso? Você poderia explicar?


Bill Cavalier: Não há cobrança para comparecer ao Howard Days. O Museu, o Pavilhão e o recinto são abertos a todos gratuitamente e todas as atividades e painéis são gratuitos. (Doações são gentilmente aceitas, é claro.) O registro antecipado que o Project Pride gosta de fazer é o de uma contagem de funcionários para que possam estimar quantas pessoas podem estar chegando. Há uma taxa de 15,00 dólares para jantar no Banquete de Celebração e esse é o único evento para o qual você precisa se inscrever (mais como uma reserva para o jantar). O Banquete é limitado a 150 pessoas, mas você ainda pode vir e dar lances no Leilão Silencioso na próxima grande sala. Esse dinheiro também ajuda a custear o almoço de cachorro-quente da sexta-feira e um refrigerador gigante cheio de águas e de refrigerantes. No sábado à noite, há um verdadeiro jantar de churrasco de peru do Texas no Pavilhão, algo que é oferecido a todos, cumprimentos da residente local, Janet Swanson. Você pode se inscrever no Howard Days via Pay Pal: ProjPride@yahoo.com ou por correio em: Project Pride, POB 534, Cross Plains, TX 76443. Todas essas informações estarão disponíveis em howarddays.com e no Facebook: Robert E. Howard Days ou Cross Plains Project Pride.


FÓRUM: Na verdade, uma dúvida que muitos fãs têm aqui no Brasil é sobre a receptividade de Howard Days entre os próprios moradores de Cross Plains, bem como sobre o museu que a fundação mantém na cidade. A população local abraçou o legado de Robert Howard ou há alguma resistência?


Bill Cavalier: Cross Plains, no Texas é uma cidade muito conservadora, com cerca de 1.000 habitantes no meio do estado. A vida é tranquila e lenta ali; mas todos os anos para o Howard Days, a cidade se abre e recebe os fãs de Howard de todo o mundo. Na verdade, pessoas de fora dos EUA são tratadas como pequenas celebridades, e a maioria dos residentes de Cross Plains fica muito feliz em conhecer pessoas de outros países, bem como saudar fãs de todos os EUA. Uma boa parte da cidade se orgulha pelo fato de sua cidade ser reconhecida como um lugar de importância literária. O Project Pride e o resto da comunidade nos abraçam com os braços abertos! Na verdade: para as pessoas em Cross Plains que não ligam para o Howard Days ou mesmo para seus fãs, simplesmente eles não se misturam conosco e nos deixam em paz para aproveitar o fim de semana. E todas as pessoas que vêm a Cross Plains para o evento ajudam muito a economia local!


FÓRUM: Você poderia nos contar um pouco sobre as atividades do evento? Acontece, a meu ver, no fim de semana mais próximo do dia da morte do escritor texano, que ocorreu em 11 de junho de 1936. Afinal, você poderia listar as atividades que acontecem naquele fim de semana? Eu vi que eles têm uma visita ao túmulo da família, bem como leituras da poesia de Howard. O que você pode nos contar?


Bill Cavalier: O Howard Days acontece no segundo fim de semana completo de junho de cada ano. Em 2021 acontecerá na sexta e no sábado, nos dias 11 e 12 de junho (existe a possibilidade de mudança nesta data devido a pandemia de Covid, algo que foi avisado no site do evento após essa entrevista). Existem algumas atividades extemporâneas que também acontecem na quinta-feira anterior ao Howard Days. Nesse dia, a casa fica aberta por um período à tarde e o pavilhão ao ar livre funciona durante 24 horas, sete dias por semana, durante toda a semana antes do fim de semana. Na quinta-feira, o pessoal começa a se reunir no Pavilhão (alguns de nós vêm à cidade na terça ou quarta-feira) apenas para sair com outros fãs de REH. Geralmente, há um pequeno Festival Bárbaro que acontece em Cross Plains no sábado; é uma pequena feira campestre, muito voltada para a família. Eles apresentam um desfile pela Main Street em Cross Plains, e os participantes do Howard Days aparecem para isso enquanto desfrutam de um jantar Fish Fry no Cross Plains Senior Center. Nas sextas e sábados, o Museu está aberto das 9h às 16h. Você pode fazer um tour guiado por docentes, que explicam cada cômodo da casa, tal como poderia ser quando a família Howard morava lá. Existem muitos livros, cartas, recortes de jornais e objetos e informações relacionados a Howard disponíveis aqui. Também em exibição estão os 42 livros que pertenciam a REH e outras propriedade de seu pai. O destaque, é claro, é a própria sala onde Howard fez a maior parte de sua escrita. Há uma loja de presentes bem abastecida dentro, com camisetas, bonés, livros, revistas e algo novo a cada ano, e do lado de fora você encontrará a REH Foundation Press vendendo livros REH. O pavilhão adjacente está configurado com mesas e cadeiras e refrigerantes e lanches também estão disponíveis, todos gratuitos. É aqui que todos se reúnem para o fim de semana. Na sexta-feira de manhã, haverá o tour de ônibus por Cross Plains e as áreas locais onde Bob Howard realmente deixou suas pegadas. Esta é uma visita guiada, sendo apresentada por especialistas locais juntamente com estudiosos de Howard. O horário do meio-dia oferece um almoço de cachorro-quente grátis no pavilhão para todos os participantes. Normalmente há três painéis apresentados na sexta-feira, bem como no sábado. Os palestrantes incluem uma grande variedade de estudiosos e fãs de Howard e apresentam uma variedade de tópicos de Robert E. Howard. O Convidado de Honra é um grande participante nestes painéis. Além disso, a noite de sexta-feira nos traz “Fists at the Ice House”, onde os especialistas na relação de REH com o boxe, Mark Finn, Jeff Shanks, Chris Gruber e Patrice Louinet apresentam uma palestra envolvente sobre as histórias de boxe de REH. E eles fornecem este painel no local real onde REH realmente lutava: o piso de concreto da Ice House na Main Street em Cross Plains! O Banquete de Celebração na noite de sexta-feira apresenta comida autêntica do Texas e um discurso do Convidado de Honra do ano. Na sala adjacente, há um Leilão Silencioso de materiais de Howard montado: livros, quadrinhos, revistas, camisetas, fanzines, colecionáveis, obras de arte, colchas e itens semelhantes. 100% da receita do leilão vai para a manutenção do Museu Howard. Companheirismo e camaradagem são partes importantes do Howard Days. O Pavilhão está cheio de pessoas muito depois de escurecer, bebendo bebidas adultas e conversando sobre muitos tópicos, principalmente relacionados a Howard. Todas as “grandes armas” do fandom e bolsa de estudos de Howard estão aqui, compartilhando sua paixão (e o álcool!), enquanto falam sobre Bob (forma como Howard era chamado). Todos são bem-vindos e você vai encontrar e cumprimentar muitas pessoas amigáveis. Um recurso exclusivo da sexta é o “cancelamento postal de lembrança disponível na agência dos correios de Cross Plains”. Todo o ano, um desenho é produzido e você terá seu e-mail carimbado com esta lembrança única. Mas apenas na sexta-feira. A Biblioteca Cross Plains está aberta durante o Howard Days. Você poderá ver os manuscritos originais de Howard aqui, bem como edições da Weird Tales e outras revistas pulps. A biblioteca também tem uma bela coleção de livros e lembranças de Howard em exibição. Cópias dos manuscritos também podem ser adquiridas. O Howard Days não é como sua “convenção” usual. É uma reunião principalmente ao ar livre de fãs de Robert E. Howard e, embora tenha painéis e leituras, seu charme vem da atitude descontraída de uma cidade pequena, onde pessoas de mentes semelhantes se reúnem para respeitar o legado que Bob Howard nos deixou. Sábado é praticamente o mesmo, com reuniões no Museu, curtindo a atmosfera do Texas. Os painéis decorrem simultaneamente nos dois dias e são sempre interessantes e informativos. (Dois anos atrás, tivemos 5 dos 17 contos editados por Herbert Jenkins em “A GENT FROM BEAR CREEK” em um dos painéis!/trata-se do título de uma série de contos originais de Howard, bem como de um romance criado pela combinação de vários contos anteriores com algum material novo; os contos publicados anteriormente foram alterados um pouco para criar capítulos com uma linha de história contínua e um novo material foi adicionado como capítulos, sendo que Glenn Lord possuía tal compilação de contos, sendo aqui as famosas histórias de humor contadas pelo divertido personagem howardiano, Breckinridge Elkins, um caipira sem escolaridade). Também no sábado, um informativo Grounds Tour leva as pessoas ao redor da casa, sendo exclusivo para sábado a varanda onde ocorre a Poesia de Luz. Depois do jantar regado a churrasco, lemos poesia de Howard em voz alta na varanda do Museu, a poucos metros de onde REH a escreveu! Nos últimos anos, venho apresentando uma leitura de “Cimmeria” em vários idiomas. Tivemos já em inglês, espanhol, japonês, alemão, italiano, francês, gaélico irlandês, inglês antigo e latim e estamos sempre procurando adicionar mais. (Seria bom acrescentar o português, então você precisará fazer a viagem!/resposta dirigida a Marco Antonio Collares, visto nosso escriba ter afirmado que iria participar do Howard Days após passar a pandemia).



Acima, algumas pessoas que ajudaram a transformar uma leitura anual do poema de Howard, Cimmeria, em um acontecimento multilíngue! Da esquerda para a direita temos: Kurt Shoemaker (espanhol), Barbara Baum (italiana) Chie Guenther (japonesa), Dierk Guenther (alemão), Patrice Louinet (francês) e Bill Cavalier (inglês). Howard Days de 2017.


FÓRUM: Há palestras de estudiosos, experts e fãs de Howard no evento, certo? Contamos com a presença de convidados especiais também não? Vi que no ano de 2020 viria Roy Thomas, mas infelizmente, por causa da pandemia, o evento foi cancelado. Roy virá no próximo ano? E o Arnold? Ele já participou do evento ou já foi convidado?


Bill Cavalier: O Howard Days é sempre bem atendido de estudiosos de Howard, fãs, colecionadores e pessoas que estão apenas interessadas em sua vida e trabalho. Fãs de Conan (de filmes e histórias em quadrinhos), não necessariamente fãs radicais (puristas) de Howard também aparecem para curtir as festividades. Os painelistas do Howard Days são geralmente pessoas com algum conhecimento ou experiência no tópico específico do painel. Não exatamente “palestras”, por si só. Um dos painéis é o “The Glenn Lord Symposium” e é mais uma apresentação do tipo “acadêmico”, onde os estudiosos lêem seus artigos curtos sobre algum aspecto da vida ou trabalho de REH. O Howard Days sempre tem um Convidado de Honra. Roy Thomas está planejando retornar em 2021, pelo menos neste momento (lembramos que essa entrevista ocorreu em novembro de 2020). Apresentaremos nosso tema, que será o “50 anos de Conan nos quadrinhos” com um ano de atraso, mas será ótimo. Todos nós sentimos muita falta do Howard Days, em 2020! Arnold já assinou uma foto em exibição no Museu, mas nunca o abordamos sobre sua vinda. E se você está perguntando se estou pessoalmente envolvido - sim. Tenho coordenado o Howard Days com o Project Pride e junto da REH Foundation nos últimos 12 anos. Fui um dos “Dez Originais” nos primeiros Howard Days e desde 2000 só perdi um desses eventos.


FÓRUM: Você poderia nos falar sobre o papel de Rusty Burke (um dos maiores nomes da REHupa e dos estudos na vida e obra de Howard e que entrevistamos em nosso canal), de Glenn Lord e de outras pessoas importantes para a criação e manutenção dessa atividade? Você me disse que era amigo do Sr. Lyon Sprague de Camp. Ele participou do evento e ajudou na organização? Vejo que nós, aqui no Brasil, ainda temos muitos preconceitos contra algumas pessoas e seria importante saber mais sobre o papel de muitas dessas pessoas no legado e na memória da obra de Howard.


Bill Cavalier: Rusty Burke é o fundador do Howard Days. Foi ideia dele hospedar os fãs de Howard em Cross Plains, em 1986 e acabou crescendo a partir disso. Glenn Lord sempre apoiou e compareceu quando pôde. As pessoas importantes do Howard Days são as pessoas do Project Pride. Eles apoiaram nossa “invasão” de sua cidade todo o mês de junho do ano e nos receberam com sorrisos, respeito e apreço. E todos os fãs de REH, sejam eles acadêmicos, colecionadores, fãs ou amigos do Texas, foram importantes na gênese do Howard Days. L. Sprague de Camp apoiou o Project Pride e participou de alguns almoços para arrecadação de fundos no início dos anos 1990. Ele doou dois artefatos de REH que estão em exibição no Museu de propriedade de Howard: um busto de Cleópatra e um tinteiro em forma de camelo que agora está na escrivaninha de Howard. Catherine Crook de Camp (que escreveu a famosa biografia sobre Howard ao lado do marido), sua esposa, criou um mapa que mostrava como era o interior da casa quando os Howard moravam lá. Os preconceitos de Sprague contra REH são bem documentados. Mas ele reviveu a escrita de Howard para o mercado de massa com as edições Lancer de Conan (as famosas edições com as capas de Frank Frazzetta) e escreveu a primeira biografia de REH. Os Lancers que foram feitos por Sprague foram centrados em Conan, já que ele reconheceu Conan como a “vaca leiteira” enquanto ignorava todo o resto do trabalho de Howard. A biografia contém muitas pesquisas boas, mas está contaminada por opiniões e psicologia amadora. Um “cavalheiro” como Sprague nunca poderia entender um texano como Bob Howard e isso acabou por prejudicar a reputação de Sprague.


FÓRUM: No evento, os participantes têm acesso ao museu, que era a casa onde Howard e sua família moravam, certo? Existem produtos, escritos, artigos para venda e troca durante as atividades? É possível encontrar, por exemplo, alguns escritos e contos de Howard para vender ou trocar?


Bill Cavalier: Sim, o Museu está aberto das 9 às 16 horas todos os dias do Howard Days (e está aberto com reservas no resto do ano). Esta é a casa que o Dr. Howard (o pai de Bob) comprou em 1909 (a família passou a morar, segundo estudos a partir de 1919, então não sei se aqui foi erro de data ou uma data de compra da casa, um tempo antes de se mudarem para a casa). Ele instalou eletricidade, encanamento e um telefone e foi onde moraram até a morte de Howard e de sua mãe, ambas em 1936. O Dr. Howard continuou a morar lá até 1942, quando se mudou para Ranger, no Texas, e morreu em 1944. O interior foi reformado para ficar como quando os Howards moravam lá. Durante o Howard Days, a Loja de Presentes está aberta, contendo livros de Howard e sobre ele, periódicos, quadrinhos, camisetas e chapéus e outros itens relacionados a REH. A REH Foundation Press instala um dossel do lado de fora e vende seus livros de Howard em texto puro. Há outras pessoas que improvisadamente se instalam nas mesas ao redor do Pavilhão e também vendem itens de e sobre Howard. A Biblioteca de Cross Plains tem uma coleção de 22 manuscritos datilografados originais de Howard e eles vendem cópias deles. O Leilão Silencioso sempre tem de 100-200 itens de Howard para licitar também.


FÓRUM: Existe um eixo temático em todo o evento? Algum personagem de Howard ou problemáticas específicas podem ser priorizadas a cada ano ou não?


Bill Cavalier: Sim, todo ano o Howard Days tem algum tipo de “tema”. Embora tendamos a atender a cada tema, o foco do Howard Days é Robert E. Howard. Fizemos comemorações de aniversários de personagens (Conan, Solomon Kane e outros - com bolo de aniversário!). Em 2020 foi planejada a celebração do 50º aniversário dos quadrinhos de Conan; com um evento tão importante como este, decidimos transportá-lo para 2021, com Roy Thomas!




Roy Thomas seria o convidado de honra do Howard Days de 2020, mas a pandemia impediu o evento. Em 2021, Roy deverá estar presente no evento. O texto que se segue esclarece: Comemorando os “50 anos de REH nos quadrinhos”, estamos orgulhosos de ter Roy Thomas como nosso Convidado de Honra. Roy é a pessoa mais imediatamente envolvida em colocar Conan, o Cimério de Howard no mundo dos quadrinhos, e estamos muito felizes por ele vir a Cross Plains para nos ajudar a comemorar.


FÓRUM: Qual a importância do Howard Days para a memória de Howard e sua apreciação pelo trabalho de Howard? Esse final de semana especial ajudou a resgatar o nome desse autor e a torná-lo ainda mais reconhecido ou ele ainda depende muito de seu personagem mais famoso para algum reconhecimento nos EUA?


Bill Cavalier: O Howard Days pretende ser uma reunião de fãs de Howard para continuar seu legado e perpetuar a apreciação de seu trabalho. Com o passar dos anos, ele recebeu mais publicidade e mais reconhecimento, mas ainda é um evento pequeno quando comparado ao Necronomicon (evento em homenagem ao famoso escritor pulp, H.P. Lovecraft) ou outras convenções. Esse charme de cidade pequena sempre foi observado de forma favorável pelos participantes e esse local permanecerá. Definitivamente, é para os fãs radicais (puristas) de REH, mas um convidado maior como Roy Thomas certamente aumentará o interesse. Gosto de pensar que o fim de semana é bom para o legado de Howard. Conan sempre estará na frente para o reconhecimento do nome de Robert E. Howard. Este personagem original que Howard criou tomou seu lugar ao lado de Tarzan, James Bond, Sherlock Holmes, Farnkenstein, Drácula e outros como sendo uma figura icônica reconhecível da literatura. Os filmes, quadrinhos e outros dispositivos da cultura pop de Conan fizeram de “Conan” um nome familiar que as pessoas querem mais. Quando eles reconhecem que Robert E. Howard é o criador de Conan, eles naturalmente procuram seus escritos e isso os leva a perceber como Howard foi um criador prolífico. Estou vendo muito isso nas várias páginas do Howard/Conan no Facebook atualmente.


FÓRUM: Finalmente. Percebo que há, às vezes, certo embate de ideias entre fãs considerados puristas e não puristas. Você acha que é possível gostar da obra de Howard tal como foi escrita por ele e também reverenciar pastiches e adaptações de seus personagens, mesmo com suas mudanças e desvios dos escritos originais? Existe alguma tensão entre os membros que participam regularmente do evento por causa disso ou é apenas para o debate de ideias?


Bill Cavalier: Os verdadeiros fãs do trabalho de Robert E. Howard, na minha opinião, realmente não estão preocupados com nenhum pastiches ou adaptações. Sabemos que existe Robert E. Howard e, em seguida, todos os demais. Posso curtir filmes, pastiches e gibis fora da minha admiração por REH - posso separar as duas facções com muita facilidade. Ninguém escreve como Robert E. Howard! Isso porque sei que sempre posso voltar à obra original de Robert E. Howard e ler a grandeza de suas palavras. No Howard Days, nunca há qualquer tensão entre os puristas de Howard e os fãs de Conan, não que eu já tenha testemunhado. Na verdade, gostamos das discussões que isso traz. Isso leva a uma melhor compreensão e admiração por REH, bem como algumas provocações bem-humoradas. Se não fosse por Robert E. Howard, não haveria discussão sobre as várias encarnações de Conan e todos ficaríamos mais tristes por isso! A Internet fornece a todos nós uma certa personalidade anônima, onde podemos ser tão encantadores ou rancorosos quanto os outros permitirem. Isso é verdade para os fãs de REH. Fanfarrões opinativos abundam em qualquer fandom - às vezes parece que há mais no Howard Fandom. Mas tudo bem.


WRITTEN INTERVIEW WITH BILL CAVALIER

ONE OF HOWARD DAYS ORGANIZATIONS


Pride Project and the Robert E. Howard Foundation, with the help of members of the Robert E. Howard United Press Association (REHupa)


FÓRUM: Bill, the Howard Days website (http://www.howarddays.com/) is very explanatory about what Howard Days is, the activities, the dates, the history of the event itself. But Brazilian fans still know very little about this very important event, held since 1986 if I'm not mistaken. Tell us a little about this story. Rusty Burke spoke a little in our online interview on the channel we have, but if you can, speak a little more.


Bill Cavalier: The first “official” Howard Days was June 13-15, 1986. In 1985, Rusty Burke and Vern Clark journeyed to Cross Plains, Texas, as two Robert E. Howard fans who wanted to see Howard’s town. They were fortunate enough to meet two Cross Plains residents at the town library: Joan McCowen and Billie Ruth Loving. These ladies were instrumental in their support and encouragement for Rusty’s idea of having a REH fan gathering in Cross Plains. So Rusty organized a fan get-together for 1986. It turned out to be an international affair. Graeme Flanagan from Australia, Tomas Kovacs and Steve Ghilardi from Switzerland, Nancy A. Collins and Mark Kimes from Louisiana, Vern Clark from Maryland, Bill Cavalier from Indiana, Glenn Lord, Rusty Burke and Bill Fulwiler from Texas attended the first Howard Days. The REH gathering “theme” would continue for the next few years with a June gathering for lunches and ice cream socials, primarily to raise funds and increase the Cross Plains residents’ awareness that a world-famous author once lived in their town. L. Sprague de Camp attended several of these, as did Glenn Lord. In 1989, another fan gathering was held to celebrate the purchase of the Howard House by a local community group, Project Pride, created to serve the town and perpetuate the legacy of Robert E. Howard. The house was renovated to look like the time period when REH lived there. The Robert E. Howard Museum officially opened in June of 1992 and 150 people attended. The yearly fundraising luncheons, dinners and gatherings took place at the house through the 1990’s, with exception of 1994. A tornado struck Cross Plains a week before Howard Days and the event was cancelled for that year. (Fortunately, the house only had minor damage to the roof.) Then, in 1999, the first two-day event happened, with Rusty Burke as the Guest of Honor speaker at dinner. In 2000, artist Gary Gianni was the Guest of Honor and the Alla Ray Morris Pavilion next to the house was opened. The first scholarly panels at Howard Days started in 2001 and the format has continued ever since. Howard Days has added more panels, a Celebration Banquet and Silent Auction, hot dog lunch, a yearly souvenir postal stamp cancellation, poetry readings and many extemporaneous events, along with weekend-long Robert E. Howard fellowship.


FÓRUM: How do I register? Is everything done through the website and email? I saw that the event is free, with the exception of a dinner on the Friday before the event weekend. How would it be? Could you explain?


Bill Cavalier: There is no charge for coming to Howard Days. The Museum, Pavilion and grounds are open to everyone for free and all the activities and panels come with no cost. (Donations are graciously accepted, of course.) The early registration Project Pride likes to do is to get a head count so they may estimate how many people might be coming. There is a $15.00 fee for dining at the Celebration Banquet and that’s the only event you need to register for (more like a dinner reservation). The Banquet is limited to 150 people, but you may still come over and place bids in the Silent Auction in the next big room. This money also helps with the cost of the Friday Hot Dog Lunch and a giant cooler filled with water and soft drinks. On Saturday night there is a real Texas chuck wagon Barbeque dinner at the Pavilion provided for all, compliments of local resident Janet Swanson. You can register for Howard Days either via Pay Pal: ProjPride@yahoo.com or by mail at: Project Pride, POB 534, Cross Plains, TX 76443. All this information will be available at howarddays.com and at Facebook: Robert E. Howard Days or Cross Plains Project Pride.


FÓRUM: In fact, a question that many fans have here in Brazil is about Howard Days' receptivity among the residents of Cross Plains, as well as about the museum that the foundation maintains in the city. Did the local population embrace Robert Howard's legacy or is there any resistance?


Bill Cavalier: Cross Plains, Texas is a very conservative town of about 1,000 people in the middle of the state. Life is quiet and slow there; but every year for Howard Days, the town opens up and welcomes Howard Fans from all over the world. In truth, folks from outside of the USA are treated like minor celebrities, and most Cross Plains residents are quite happy to meet folks from other countries, as well as greet fans from all over the US. A good portion of the town is proud that their town is recognized as a place of literary importance. Project Pride and the rest of the community embrace us with open arms! In truth: for the people in Cross Plains who do not care for REH or his fans just don’t mix with us and leave us alone to enjoy the weekend. And all the folks who come into Cross Plains for Howard Days greatly help out the local economy!


FÓRUM: Could you tell us a little about the activities of the event? It occurs, as I saw it, on the weekend closest to the date of the Texan writer's death, which occurred on June 11, 1936. After all, could you list the activities that take place that weekend? I saw that they have a visit to the family grave, as well as readings of Howard's poetry. What can you tell us about?


Bill Cavalier: Howard Days happens the second full weekend of June every year. In 2021 it will happen on Friday and Saturday, June 11 and 12. There are some extemporaneous activities that also happen on the Thursday prior to HD. On that day, the House is open for a period in the afternoon and the open-air Pavilion is open 24-7 throughout the weekend. On Thursday, folks begin to gather at the Pavilion (some of us come into town on Tuesday or Wednesday) just to hang out with fellow REH fans. There is usually a small Barbarian Festival that happens in CP on the Saturday; it is a small country fair, very family oriented. They present a parade down Main Street in CP, and Howard Days attendees show up for that while enjoying a Fish Fry dinner at the Cross Plains Senior Center. On Friday and Saturday, the Museum is open from 9 am to 4 pm, You can take a tour guided by docents, who explain every room in the house as it might have been when the Howard family lived there. There are many books, letters, newspaper clippings and Howard-related objects and information available here. Also on display are 42 books that were owned by REH and others owned by his father. The highlight, of course, is the very room where Howard did the bulk of his writing. There is a well-stocked Gift Shop inside with t-shirts, hats, books, magazines and something new every year, and outside you will find the REH Foundation Press selling REH books. The adjacent Pavilion is set up with tables and chairs and soft drinks and snacks are usually available too, all free. This is where everyone congregates for the weekend. On Friday morning there is the Bus Tour around Cross Plains and the local areas where Bob Howard actually left his footprints. This a guided tour presented by local experts along with Howard scholars. Noon time finds a free Hot Dog Lunch at the Pavilion for all attendees. There are usually three panels presented both on Friday and Saturday. Panelists include a wide variety of Howard scholars and fans and feature a variety of Robert E. Howard topics. The Guest of Honor is a big participant in these panels. Additionally, Friday night brings us “Fists at the Ice House” where REH boxing experts Mark Finn, Jeff Shanks, Chris Gruber and Patrice Louinet present an engaging talk about the boxing stories of REH. And, they give this panel on the actual site where REH really did box: the concrete floor of the Ice House on Main Street in Cross Plains! The Celebration Banquet on Friday night features authentic Texas grub and a speech by the year’s Guest of Honor. In the adjacent room, there is a Silent Auction of Howard materials set up: books, comics, magazines, t-shirts, fanzines, collectibles, artwork, quilts and similar items. 100% of the proceeds from the auction goes to the maintenance of the Howard Museum. Fellowship and camradrie are important parts of Howard Days. The Pavilion is filled with people long after dark, drinking adult beverages and conversing on many topics, mostly Howard related. All the “big guns” of Howard fandom and scholarship are here, sharing their passion (and alcohol!) while talking about Bob. Everyone is welcome and you will meet and greet with many friendly folks. One feature exclusive to Friday is the souvenir postal cancellation available at the Cross Plains post office. Every year a design is produced and you may go to the p.o. and have your mail stamped with this unique memento. But on Friday only. The Cross Plains Library is open during Howard Days. You can view original Howard typescripts here as well as original Weird Tales and other pulp magazines. The library also has a nice collection of Howard books and memorabilia on display. Copies of the typescripts can be purchased as well. Howard Days is not like your usual “convention”. It is a mostly outdoor gathering of Robert E. Howard fans and while it does have panels and readings, its charm comes from the small-town easy-going attitude where like-minded people have gathered to respect the legacy that Bob Howard left us. Saturday is pretty much the same, with gathering at the Museum, enjoying the Texas atmosphere. The panels take place at the same time both days and are always interesting and informative. (Two years ago we had 5 of the 17 known-to-exist Jenkins A GENT FROM BEAR CREEK at one of the panels!) Also on Saturday, an informative Grounds Tour takes folks around the outside of the house, Unique to Saturday is Porch Light Poetry. After the BBQ dinner, we read Howard poetry aloud from the porch of the Museum, mere feet away from where REH wrote it! For the last few years I’ve been hosting a reading of “Cimmeria” in multiple languages. We’ve had English, Spanish, Japanese, German, Italian, French, Irish Gaelic, Olde English and Latin and are always looking to add more. (Portugese would be nice to add, so you will need to make the trip!)


FÓRUM: Are there lectures by Howard scholars, experts and fans at the event? Do we have the presence of special guests? I saw that in the year 2020, Roy Thomas would come, but unfortunately, because of the pandemic, the event was canceled. Will Roy come next year? And Arnold? Have you participated in the event or been invited?


Bill Cavalier: Howard Days is always well attended by Howard scholars, fans, collectors and people who are just interested in his life and work. Conan fans (of the movies and comic books), not necessarily hard-core Howard fans, also show up to enjoy the festivities as well. The panelists at Howard Days are usually people who have some knowledge or expertise in the specific topic of the panel. Not really “lectures”, per se. One of the panels is “The Glenn Lord Symposium” and is more of an “academic” type presentation where scholars read their short papers about some aspect of REH’s life or work. HD always has a Guest of Honor. Roy Thomas is planning on returning in 2021, at least at this point in time (Nov. 2020). We’ll present our “50 Years of Conan in Comics” theme a year late, but it will be a great one. We all greatly missed our Howard Days 2020! Arnold has signed a photo on display at the Museum, but we’ve never approached him about coming. And if you’re asking if I personally am involved – yes. I’ve been coordinating Howard Days with Project Pride and the REH Foundation for the last 12 years now. I was one of the “Original Ten” at the first Howard Days and since 2000 I’ve only missed one Howard Days.


FÓRUM: Could you tell us about the role of Rusty Burke, his role, that of Glenn Lord and other important people for the creation and maintenance of this activity? You told me that you were a friend of Mr. Lyon Sprague de Camp. Did he participate in the event and help organize? I see that we, here in Brazil, still have many prejudices against some people and it would be important to know more about the role of many of them in the legacy and memory of Howard's work.


Bill Cavalier: Rusty Burke is the Founder of Howard Days. It was his idea to host Howard Fans in Cross Plains in 1986 and it eventually grew from that. Glenn Lord was always supportive and attended when he could. The important people of Howard Days are the folks of Project Pride. They have supported our “invasion” of their town each June and welcomed us with smiles, respect and appreciation. And all the fans of REH, be they academics and scholars, collectors, fans or Texas friends have been important in the genesis of Howard Days. L. Sprague de Camp supported Project Pride and attended a couple of the luncheon fundraisers in the early 1990’s. He donated two REH artifacts that are on display at the Museum that Howard owned: a bust of Cleopatra and a camel-shaped ink well that is now on Howard’s writing table. Catherine Crook de Camp, his wife, created a map that showed what the interior of the house looked like when the Howard’s lived there. Sprague’s prejudices against REH are well-documented. But he did revive Howard’s writing for the mass-market with the Lancer editions of Conan and he did write the first REH biography. The Lancers that were done by Sprague were centered on Conan, as he recognized Conan as the cash cow while ignoring all the rest of Howard’s work. The biography contains much good research but it is tainted by amateur psychology and opinions. A “gentleman” like Sprague could never understand a Texan like Bob Howard and that has ultimately clouded Sprague’s reputation.


FÓRUM: At the event, participants have access to the museum, which was the house where Howard and his family lived. Right? Are there products, writings, articles for sale and exchange during activities? Is it possible to find, for example, some writings and tales by Howard to sell or exchange?


Bill Cavalier: Yes, the Museum is open from 9 to 4 each day of Howard Days (and is open with reservations the rest of the year). This is the house that Dr. Howard bought in 1909. He put in electricty, plumbing and a telephone and it is where they lived until REH and his mother’s deaths in 1936. Dr. Howard continued to live there until 1942 when he moved to Ranger, Texas, and died in 1944. The interior has been refurbished to look like it did when the Howards lived there. During Howard Days, the Gift Shop is open, containing books both by Howard and about him, periodicals, comics, t-shirts & hats and other REH items. The REH Foundation Press sets up a canopy outside and sells their pure-text Howard books. There are other folks who extemporaneously set up on tables around the Pavilion and sell Howard items as well. The Cross Plains Library has a collection of 22 Howard original typescripts and they sell copies of those. The Silent Auction always has 100-200 Howard items to bid on also.


FÓRUM: Is there a thematic axis throughout the event? Can any Howard characters or specific issues be prioritized each year or not?


Bill Cavalier: Yes, every year Howard Days has some kind of “theme”. While we tend to cater to each theme, the focus of Howard Days is Robert E. Howard. We’ve had celebrations of character’s birthdays (Conan, Solomon Kane and others – with birthday cake!) 2020 was intended as the 50 anniversary celebration of Conan comics; with such an important event like this we decided to carry it over to 2021 with Roy Thomas!


FÓRUM: How important is Howard Days for Howard's memory and appreciation of Howard's work? Did this special weekend help rescue this author's name and make him even more recognized or does he still depend a lot on his most famous character for some recognition in the USA?


Bill Cavalier: Howard Days is intended as a gathering of Howard Fans to continue his legacy and perpetuate the appreciation of his work. Over the years it has received more publicity and gotten more recognition but it still remains a small event when compared to Necronomicon or other conventions. That small-town charm has always been favorably remarked upon by attendees and that venue will remain. It is definitely for hard-core REH fans, but a bigger guest like Roy Thomas will certainly increase interest. I like to think the weekend is good for Howard’s legacy. Conan will always be at the front for Robert E. Howard’s name recognition. This original character that Howard created has taken his place alongside Tarzan, James Bond, Sherlock Holmes, Farnkenstein, Dracula and others as being a recognizable, iconic figure from literature. Conan movies, comics and other pop culture devices have made “Conan” into a household name that people want more of. When they recognize that Robert E. Howard is Conan’s creator, they naturally seek out his writings and that leads them to realize what a prolific creator Howard was. I’m seeing this a lot on the various Howard/Conan Facebook pages these days.


FÓRUM: Finally. I notice that there is, at times, a certain clash of ideas between fans considered purists and non-purists. Do you think it is possible to like Howard's work as it was written by him and also to revere pastiches and adaptations of his characters, even with his changes and departures from the original writings? Is there any tension between the members who regularly participate in the event because of this or is it just in the debate of ideas?


Bill Cavalier: True fans of Robert E. Howard’s work are, in my opinion, truly not concerned with any pastiches or adaptations. We know that there is Robert E. Howard, and then there is Everybody Else. I can enjoy the movies, pastiches and comic books outside of my admiration for REH – I can separate the two factions very easily. Nobody writes like Robert E. Howard! That is because I know that I can always go back to original work of Robert E. Howard and read the greatness of his words. At Howard Days, there is never any tension between Howard purists and fans of Conan, not that I’ve ever witnessed. We actually enjoy the discussions that this brings up. It leads to better understanding and admiration for REH, as well as some good-natured teasing. If it wan’t for Robert E. Howard, there would be no discussion of the various Conan incarnations and we would all be sadder for that! The internet provides us all with a certain anonymous personality where we can be as delightful or spiteful as others will allow. Such is true of REH fans. Opinionated blowhards abound in any fandom – sometimes it seems like there are more in Howard Fandom. But that’s ok.





136 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo