"... Entre os anos em que os oceanos tragaram Atlântida e surgimento dos filhos de Aryas..."

Afinal, quem seriam os "filhos de Aryas" mencionados por Howard ao criar sua fictícia era Hiboriana?


Por Henry Olivr | Introdução e conclusão por Marco A. Collares

Ilustração capa do livro “The Saga of the Aryan Race”, um épico histórico sobre as origens dos indo-europeus de vinte mil anos atrás

Saiba, ó príncipe, que entre os anos em que os oceanos tragaram Atlântida e os anos em que se levantaram os filhos de Aryas, houve uma era inimaginada repleta de reinos esplendorosos que se espalharam pelo mundo como miríades de estrelas sob o manto negro do firmamento. Nemédia; Ophir; Britúnia; Hiperbórea; Zamora, com suas lindas mulheres de cabelos negros e suas torres repletas de terror e mistério; Zingara, com a nobreza; Koth, que fazia fronteira com as terras pastoris de Shem; Stygia, com suas tumbas protegidas pelas sombras; Hirkânia, cujos cavaleiros ostentavam aço, seda e ouro.

Não obstante, de todos, o mais orgulhoso foi o reino da Aquilônia, que dominava supremo no delirante oeste. Para cá veio Conan, o cimério de cabelos negros, olhos ferozes, mão sempre crispadas sobre o cabo de uma formidável espada pronta a ser brandida em luta, saqueador, ladrão sagaz, pirata, assassino frio com gigantescas crises de melancolia e não menores fases de alegria, para humilhar sob seus pés os frágeis tronos da Terra."

Crônicas da Nemédia.

O Trecho inicial foi publicado na Revista Weird Tales, em dezembro do ano de 1932, no prefácio do conto The Phoenix on the Sword.


Introdução
 
Desta forma, Robert Howard começa os ciclos de Conan, desvelando o primeiro esboço de sua época meta-histórica. Mas afinal, fica a pergunta: quem seriam os filhos de Aryas mencionados no texto? Seriam eles os arianos, tão conhecidos em discursos de líderes, filósofos, estudiosos, políticos e generais do dito Ocidente? Podemos afirmar que os filhos de aryas representam a gênese de uma nova raça de homens a dominar o Ocidente após o ocaso dos Hiborianos? Perguntas que ficam no ar. Nosso novo escriba, Henry Olivr fez uma pesquisa sobre os arianos e vocês podem conferir seu texto logo a seguir. Aproveitem cães. Marco Antonio Collares

Desenvolvendo o tema proposto


O nome "Ariano" (/ ˈɛəriən /) tem suas raízes como um termo usado como uma auto-designação pelo povo indo-iraniano. O termo foi usado pelo povo indo-ariano do período védico na Índia antiga como um rótulo religioso para si e para a região geográfica conhecida como Āryāvarta, onde a cultura indo-ariana se baseia (nessa região).

O povo iraniano usou o termo como um rótulo étnico para si mesmo, nas escrituras Avesta, e a palavra forma a fonte etimológica do nome de país Irã. Aryavarta, que significava "A Casa de Aryas", embora a raiz * h₄erós (um "membro do próprio grupo, em contraste com alguém de fora") seja provavelmente de origem Proto-Indo-européia, o uso de Arya como uma auto-designação só é atestado entre os indianos.

Os estudiosos apontam que, mesmo nos tempos antigos, a idéia de ser um "ariano" era RELIGIOSA, CULTURAL e LINGÜÍSTICA, nunca racial. Com base em referências mal interpretadas no livro indiano, o Rig Veda, por estudiosos ocidentais no século 19, o termo "ariano" foi adotado como uma categoria racial através das obras de ARTHUR DE GOBINEAU, cuja a sugestão de ideologia de raça se baseava na idéia de "arianos do norte da Europa" loiros "que haviam migrado pelo mundo e fundado todas as principais civilizações, antes de serem diluídas pela mistura racial com as populações locais.

Através das obras de HOUSTON STEWART CHAMBERLAIN, usando como base as idéias de Gobineau, mais tarde influenciaram a ideologia racial nazista que enxergava "povos arianos" como inatamente superiores a outros grupos raciais, o que foi um terrível e assustador elogio à vaidade e orgulho de um povo baseado em uma sugestão errônea e ilusória.

As atrocidades cometidas em nome dessa ideologia racial levaram os acadêmicos após o período da Segunda Guerra Mundial a evitar o termo "ariano", que foi substituído em alguns casos por "indo-iraniano", em vez de simplesmente mostrar o erro cometido de interpretação e sugestão racial.

Origens do termo


Uma das primeiras referências epigraficamente atestadas à palavra arya ocorre na inscrição Behistun do século VI A.C., que se descreve como tendo sido composta "em arya(s) [IDIOMA/ ROTEIRO/VERSO]" . Como também é o caso de todos os outros usos da língua iraniana antiga, o arya da inscrição não significa nada além de "iraniano ou no estilo do Irã".

O filólogo J.P. MALLORY argumenta que "Como uma designação étnica, a palavra [ariano] é mais apropriadamente limitada aos indo-iranianos, e mais justamente aos últimos, onde ainda dá seu nome ao país Irã.".

Na literatura védica antiga, o termo Āryāvarta (sânscrito: morada dos arianos) era o nome dado ao Norte da Índia, onde se baseava a cultura indo-ariana. No livro religioso MANUSMṚTI (2.22) dá o nome de Āryāvarta para "o trato entre as cordilheiras do Himalaia e Vendhya, do leste (Baía de Bengali) ao mar ocidental (Mar da Arábia)".

Inicialmente, o termo foi usado como um nome nacional para designar aqueles que adoravam as divindades védicas (especialmente Indra) e seguiram a cultura védica (por exemplo, realização de sacrifício, Yajna).

Nas línguas iranianas, o auto-identificador original vive em nomes étnicos como "Alans" e "Iron". Da mesma forma, o nome do Irã é a palavra persa para terra /lugar dos arianos. Argumentou-se também que a palavra é de origem proto-indo-européia, a partir de uma raiz * haerós ("membros do próprio grupo, pares, homens livres"). Os cognatos derivados podem incluir:

O prefixo hitita é: um membro do próprio grupo, par, companheiro e amigo; Céltico * aryo ("homem livre"), Irlandês antigo: aire, "homem livre, nobre, chefe", Gaulês: arios, "homem livre, senhor", Avestan airya - significando ariano, iraniano em sentido amplo Antigo significado indo-ariano associado a pessoa fiel e devota e parente Aria indo-ariana antiga - que significa tipo, favorável, apegada e dedicada Árabe indo-ariano antigo - significa ariano, fiel à religião védica.


Acredita-se que a palavra * haerós em si veio da raiz * haer, que significa "reunida". O significado original no proto-indo-europeu tinha uma ênfase clara no "status dentro do grupo", distinto do de estrangeiros, particularmente aqueles capturados e incorporados ao grupo como escravos. Enquanto na Anatólia, a palavra base passou a enfatizar o relacionamento pessoal, no indo-iraniano a palavra assumiu um significado mais étnico.

Uso acadêmico


Durante o século XIX, foi proposto que "ariano" também era a auto-designação dos proto-indo-europeus, uma hipótese que foi ABANDONADA.

"Família de idiomas arianos": os idiomas indo-arianos (incluindo o dardic), os idiomas iranianos e os nuristaneses,

Na literatura sânscrita


Nos idiomas sânscrito e indo-ariano relacionado, ārya significa "ALGUÉM QUE PRATICA ATOS NOBRES; UM HUMILDE". Āryāvarta "morada dos āryas" é um nome comum para o subcontinente indiano do norte na literatura sânscrita. Manusmṛti (2.22) dá o nome à "área entre o Himalaia e a cordilheira de VENDHYA, do Mar Oriental ao Mar Ocidental".

O título ārya foi usado com várias modificações em todo o subcontinente indiano. Kharavela, o imperador de Kalinga no século II aC, É REFERIDO COMO UM ĀRYA nas inscrições Hathigumpha das cavernas Udayagiri e Khandagiri em Bhubaneswar, Odisha.

Os governantes de Gurjara-Pratihara no século 10 foram intitulados "Maharajadhiraja de ĀRYĀvarta". Várias religiões indianas, principalmente hinduísmo, jainismo e budismo, usam o termo ārya como um EPÍTETO DE HONRA; um uso semelhante é encontrado no nome de Arya Samaj.

O uso da auto-designação Arya não se limitou ao norte da Índia. O imperador do sul da Índia do reino de Chola, Rajendra Chola I, se intitula ARYAputra, ou seja, "(filho de ARYA"). Em Ramayana e Mahabharata, ārya é usado como um honorífico para muitos personagens, incluindo Hanuman.

Uma curiosidade


Baseando-se nestes aspectos etimológicos, podemos notar uma particularidade linguística que passou quase despercebida pelos povos contemporâneos e durante os períodos anteriores na difusão em grande escala da escrita, por vários séculos: a palavra ARYA pode ter sido o termo original para o significado da palavra HERÓI em todas as culturas citadas anteriormente.

Os antigos povos hititas, celtas, gauleses, irlandeses, árabes iranianos, proto-indo-europeus, caucasianos e principalmente os indianos nomeavam as pessoas mais honradas, a quais praticaram atos nobres, corajosos e fora do comum com títulos que são derivados da palavra ARYA.

Citando os exemplos: O Céltico “aryo”, o irlandês antigo: “aire”, o gaulês: “arios” e o antigo idioma indiano, “ārya” que significa "ALGUÉM QUE PRATICA ATOS NOBRES; UM HUMILDE", o antigo idioma dos povos caucasianos: “haerós”, todos estes povos deram estes títulos honrosos para os HERÓIS de suas culturas.

De fato, ARYAS era um título que qualquer pessoa fora do comum e com qualidades excepcionais teria a honra e a satisfação de ouvir en referência ao seu próprio nome.

Conclusão

 É muito difícil saber o nível das leituras de Howard, mas a julgar o que sabemos dele, de suas cartas, prosas e poesias (além de sua biblioteca), o texano poderia saber muitos sentidos para a palavra “ariano”. 
 
Claro que a crença corrente da época de Howard, colocaria os arianos entre os homens brancos que vieram do norte e que ocuparam o dito Ocidente, para dar origem a civilização moderna (uso o termo aqui como exemplo de nossa época histórica, desde as primeiras civilizações do Crescente Fértil). 
 
De qualquer forma, na meta-história de Howard, os filhos de Aryas substituíram as diversas culturas e civilizações da “raça” hiboriana que Howard criou por sua máquina voraz. E nós, como adoradores de sua obra, podemos compreender melhor sua rica erudição a partir desse texto de nosso escriba.

471 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo