Robert Howard & Conan #7 - A Rainha da Costa Negra

Uma das mais aclamadas sagas do cimério. O encontro de um de seus maiores amores, mas, seria este um romance como tantos outros?


por Etienne Navarre

"Se eu morrer e você tiver que lutar por sua vida, voltarei do abismo para ajudá-lo." - Bêlit | Arte de Mark Schultz

Publicado na Weird Tales de maio de 1934, A Rainha da Costa Negra é uma de suas histórias mais famosas. Boa parte da saga é carregado de grande romantismo e sensualidade: "E ela dançou como um turbilhão no deserto, como uma chama inextinguível, como o impulso da criação e da morte. Seus pés brancos roçaram suavemente a capa manchada de sangue, e os moribundos esqueceram de morrer enquanto a contemplavam em êxtase. Enquanto as estrelas brancas brilhavam vagamente através do veludo azul do pôr-do-sol, tornando seu corpo uma chama marfinense nebulosa, Bêlit gritou violentamente e se jogou aos pés de Conan. O desejo cego do cimério o fez esquecer o mundo. quando ele apertou o corpo ofegante contra as placas pretas do peito blindado". Devemos tudo isso à rainha Bêlit, corsária (cujo nome era Tameris na primeira versão), a quem Conan se junta ao seu destino após uma sangrenta batalha naval contra os membros da Tigresa. Howard fez várias versões da história e, na primeira, Bélit (Tameris) afirma explicitamente que ainda é virgem: "Sou Tameris, rainha da Costa Negra, e não conheço as carícias de nenhum homem! Eu sempre permaneci intacta por alguém que sabia que viria em breve." A história tem uma combinação perfeita entre o interesse na trama e suas contribuições dramáticas para o ciclo, dividida em dois capítulos.


Conan se junta aos piratas, por Aaron McConnell

O primeiro, intitulado "Conan junta-se aos piratas", destaca-se pela magnífica fluidez com que a ação progride, desde a sua memorável abertura, na qual Conan aparece galopando no cais, escapando dos soldados da cidade e pulando para um navio, por sua vez, o navio será atacado pelo Tigresa, o navio de Bêlit, rainha branca de uma tripulação de piratas negros, que, imediatamente, contemplando o modo incomparável de luta de Conan, não hesita em reconhecer o homem com quem ela deve compartilhar seu comando. Ele, estimulado pela liberdade, aventura e pilhagem que os oceanos prometem, não hesita em se tornar seu amante e companheiro de armas, antes de começar a saquear os mares do sul. O cimério se torna Amra, o Leão, e durante anos de saques e pilhagens, seu nome se torna uma lenda. O segundo, "O Lótus Negro", após uma elipse que passa por um longo tempo de navegação, vai para o fim da história na primeira das muitas cidades perdidas que acabarão marcando a saga.


Howard mostra a essência do personagem no primeiro dos dois capítulos, provando ser um magnífico desenhista de psicologias com poucas frases. O cimério justifica diante do capitão do navio em que escapou as razões para uma fuga tão precipitada: a crônica delirante do julgamento que Conan sofre, por não querer acusar um companheiro de um assassinato que considera justificado, continua entre regozijar-se e admiração narrativa. Poucas sentenças conseguem incluir uma filosofia de vida, ao mesmo tempo simples e primitivamente complexa, como esta - "Eu entendi que estavam todos loucos ..." - com a qual ele começa a explicar como acaba explodindo de raiva diante do tribunal, quebrando o cabeça do magistrado que insiste em forçá-lo a delação e seguir seu caminho até ele chegar ao cais.


Conan & Bêlit | por Gerald Brom

O melhor fragmento da história é constituído pela bela conversa que os dois amantes têm sobre religião e transcendência (e isso traduz muito bem a intimidade entre eles). Nesta conversa sobre religião, vida e morte, é mostrada a filosofia vital dos cimérios "- Como são os deuses do seu povo? Eu nunca ouvi você falar sobre eles." - pergunta Bêlit"- O deus principal é Crom, que vive em uma grande montanha. Mas não faz sentido invocá-lo. Ele pouco se importa se os homens vivem ou morrem. É melhor ficar calado do que exigir sua atenção, pois tende a gerar infortúnios e não fortuna! Ele é implacável e cruel, mas instila poder para lutar e matar no nascimento. O que mais um ser humano pode pedir? ... No culto do meu povo, não há esperança aqui ou no futuro." - respondeu Conan. Neste mundo, os homens lutam e sofrem em vão, e encontram prazer apenas no turbilhão enlouquecedor da batalha; uma vez mortos, suas almas entram em um reino cinzento, cheio de nuvens e açoitado por ventos gelados, onde vagam tristes e melancólicas por toda a eternidade. Conan argumenta que a única opção sensata de liderar a vida é encontrar o equilíbrio certo entre o ceticismo e a proclamação prudente do presente como o único momento que realmente vale a pena ser vivido. "Se a vida é uma ilusão, eu também sou; e, portanto, a ilusão é real para mim", declara ele diante das investigações de Bêlit, e conclui: "- Eu vivo, eu queimo de vida, eu amo, eu mato. Isto basta para mim."


E talvez a passagem mais famosa da história seja a seguinte, pronunciada por Belit: "-Se eu morrer e você tiver que lutar por sua vida, voltarei do abismo para ajudá-lo. Sim, mesmo que meu espírito flutuasse sob as velas roxas do mar cristalino do paraíso, ou se contorcesse nas chamas do inferno! Eu sou sua, e nem os deuses nem a eternidade podem nos separar!"


A história combina magistralmente com o hino para a liberdade que canta e a atmosfera fatalista que acaba apontando que, apesar de tudo, o homem não pode escapar do destino mais sombrio, o de uma criatura destinada a morrer. Assim, a partir do momento em que a Tigresa começa a subir o rio Zarkheba (Conan não pode deixar de sentir uma apreensão instintiva), no coração dos reinos negros, na direção de uma cidade misteriosa e abandonada, onde espera obter o grande saque que escondem suas margens, a ambição cega a tripulação e sua capitã e a história é preenchida com elementos sinistros e presságios evidentes de morte, até concluir com a morte de todos os piratas, exceto o cimério: é uma amostra do gênio de Howard fazer Bêlit morrer nos bastidores, o que multiplica a intensidade da terrível descoberta de seu parceiro. O bárbaro, fervendo de ódio e sede de vingança, decide enfrentar seus oponentes em condições inferiores


Capa de Conan The Barbarian nº 100 por John Buscema

A batalha entre as ruínas é épica: o cimério ferve de ira enquanto joga as flechas que impactam no inimigo. O clímax da história acontece quando Conan está preso sob uma coluna, prestes a perecer, e graças à aparência de sua amada, ele consegue destruir o demônio alado que queria acabar com ele. A rainha pirata é um personagem fascinante, mas seu relacionamento com Conan foi exagerado (especialmente nos quadrinhos), fazendo dela o grande amor de sua juventude , já que ele nunca foi um personagem romântico; não se encaixava no seu instinto de sobrevivência. A relação entre Conan e Bélit, embora de natureza amorosa, está longe de ser o romance clássico do gênero. Segundo o especialista em Howard Patrice Louinet :


"Especialmente nas versões iniciais, uma sutil corrente de sadismo preside seus diálogos e encontros. Por exemplo o 'Leve-me e sacuda-me com seu amor feroz!' da versão publicada, corresponde a 'Me pegue, me sacuda e me machuque com seu amor feroz!' das versões anteriores. E este não é um exemplo isolado. Na terceira versão da história, logo após a próxima linha de diálogo, '- Muito bem, - disse ela com a voz ausente, sem prestar muita atenção. - Vou levá-los a bordo.' - encontramos o seguinte: 'Conan, com olhos estreitos e consciente de um ciúme que brotou levemente dentro dele, deu-lhe um olhar furioso, focado nas jóias ásperas que decoravam seus seios marfinenses. Ele experimentou o desejo primitivo de arrancá-los e jogá-los no rio, e pela primeira vez sentiu o desejo de agarrar os cachos negros da sua parceira com dedos de ferro e administrar violência moderada a sua pessoa...' Farnsworth Wright censurou sistematicamente algumas linhas de diálogo que pareciam "sensuais" demais."


Finalmente, a imagem do cimério apoiado em uma espada manchada de sangue, silencioso e triste, enquanto observa o Tigresa desaparecer envolto em chamas nas águas violeta e escarlate antes do amanhecer, passou para a história do gênero fantástico. O personagem Conan começou a se destacar na revista e os leitores começaram a exigir mais histórias, de modo que Conan se tornou um dos pilares da publicação e as vendas diminuiriam quando não tinha histórias do Howard. A Rainha da Costa Negra obteve a capa do mês de maio de 1934; não era a primeira vez que um conto do bárbaro tinha a capa.


Próxima postagem : O Colosso Negro.


< Parte 6

308 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo