top of page

Os Deuses da Era Hiboriana - Parte 3 (final)

O derradeiro capítulo desta série que lista os deuses criados por Howard.


por Henry Olivr

Morrigan (representação celta).

"Esse texto é uma tradução e uma adaptação do nosso novo colaborador, Henry Olivr. Além de professor de inglês, estudioso em Howard e seus personagens, ele escreve sobre fantasia e sobre o universo hiboriano em redes sociais, trazendo muitas novidades a fãs, leitores e estudiosos.


Segundo Henry Olivr, é uma tradução de um blog russo e uma adaptação livre sua para que possamos entender como funciona o panteão de divindades hiborianas a partir dos contos e narrativas de Howard e também de pastiches posteriores, de outros autores. Tudo referendado de onde saiu cada divindade. Aproveitem cães Hiborianos. E que Crom lhes conceda o fogo da astúcia para entender as linhas que se seguem." - Marco Antonio Collares



MAHA

Temos aqui a deusa-mãe ciméria, que também tem a encarnação da deusa da batalha. Maha não participa das batalhas, mas está sempre invisível no campo de batalha, usando ocasionalmente suas forças para ajudar uma das partes de uma contenda.


Localidade: Ciméria

O deus Mitra lutando contra Set.

MITRA

Doador da vida, guardião do alto lar, deus da luz e do bem, personificação do sol. Mitra é considerado uma divindade onipresente que não tem uma forma definida como regra. Nos templos não há imagens dele, mas às vezes é retratado como um homem alto, com cabelos encaracolados e barba larga. O culto a Mitra se originou no Oriente - no Iranistão, onde foi reverenciado como uma divindade associada à ideia de contrato e de justiça, bem como o deus do sol. Mitra e o panteão Vendiano têm funções semelhantes, onde ele é considerado um deus da comitiva de Indra. No entanto, a verdadeira ascensão do mitrianismo começou graças ao profeta Epemitreus, uma figura religiosa e política destacada. O inspirador ideológico da fundação do Reino de Aquilônia. Nesse reino do oeste hiboriano o mitrianismo se tornou a religião oficial do estado. Assim, o culto se espalhou por quase todo o território hiboriano, gradualmente excluindo ou assimilando os cultos das divindades locais. A influência do mitrianismo se estende além das fronteiras dos reinos hiborianos: o culto é muito popular em Zamora, e sua influência também se manifesta em Shem, onde a imagem de Mithra se fundiu parcialmente à deidade solar local de nome, Shamash. Alguns movimentos religiosos e filosóficos consideram Mitra o guardião do Equilíbrio Cósmico, um deus que está acima do bem e do mal. Em particular, essa imagem do deus solar é característica das representações religiosas dos habitantes dos estados do planalto de Arim, onde é reverenciado sob o nome de Matrael.


Localidade: Reinos Hiborianos, Zamora, Shem.

Fonte: “A Fênix na Espada e “O Colosso Negro” de Robert Howard.

MORRIGAN

Deusa ciméria, em muitos aspectos semelhante a Badb. As deusas guerreiras, tendo adotado a imagem de um corvo, invariavelmente circulam acima do campo de batalha. Morrigan dedica as cabeças dos caídos em batalha.


Localidade: Ciméria

Fonte: "A Fênix na Espada" de Robert Howard.

A deusa Nemain. Arte Luis Royo.

NEMAIN ou NEMINE

Deusa guerreira ciméria, cujo nome significa "feroz". Nemine está presente no campo de batalha, espalhando pânico entre os guerreiros. De muitas maneiras, semelhante a outras deusas cimérias da batalha, como Maha ou Morrigan.


Localidade: Ciméria

Fonte: "A Fênix na Espada" de Robert Howard.

NERGAL

O governante do submundo, uma divindade sombria, cujas ideias se originaram no Oriente, entre as pessoas que eram ancestrais dos shemitas modernos (Filhos de Shem). Da mitologia desse povo antigo, a imagem de Nergal, bem como de outras divindades do sistema religioso correspondente, migrou para as crenças das tribos estabelecidas da Hirkânia. Entre os shemitas, sob a influência secular da cultura estígia, Seth age como uma divindade maligna, cuja imagem gradualmente substituiu Nergal. Como governante do submundo, Nergal também é conhecido na cultura hiboriana, embora esse deus se destaque, não entrando oficialmente no panteão mitológico. Nergal é uma divindade bipartidária: por um lado, ele é o deus do caos e da destruição, retratado sob o disfarce de uma criatura demoníaca com uma cabeça coroada de chifres e uma estrela na testa coberta de chifres, e por outro lado, Nergal é um juiz sábio e justo no Reino dos Mortos. No entanto, acredita-se que o poder de uma divindade formidável não se estenda ao mundo dos vivos. Nergal raramente se interessa pelo que está acontecendo fora do Mundo Inferior. De acordo com as crenças religiosas de Agadean (referente à Akkad ou antiga Acádia), onde o culto a Nergal é a religião do Estado, o poder mbrio e destrutivo do deus ameaça trazer muitos desastres para a humanidade.


Fonte: “A Mão dos Nergal”, conto fragmento de Howard, mas terminado por Lin Carter (muitas menções aqui estão em sites russos e não no conto em si).

DEUS SANGRENTO

Há rumores de que uma estátua de ouro de uma divindade antiga esquecida, esteja em um templo perdido nas montanhas Kezankianas.


Fonte: “Deidade Sangrenta” (referente ao conto que já foi publicado em quadrinhos, na ESC 02 Colorida).


ALLAM ONGA

A divindade da cidade de Ghazal, um demônio do séquito de Ajujo, o Escuro.


Fonte: "Tambores de Tombalku" (Pastiche russo).

Pteor na visão da Dark Horse.

PTEOR

Um dos nomes do deus Adonis, supostamente a palavra significa "ídolo".


Fonte: "Tesouros de Gwalur" e "Negras Noites da Zamboula" de Robert Howard.

SETH

A Grande Serpente da Noite, o Pai das Serpentes, a principal divindade do panteão da Estígia. É também o deus do deserto e das cidades abandonadas, a personificação das trevas, o patrono das artes mágicas das trevas. Os sacerdotes da Estígia afirmam que o destino da humanidade está a serviço de Sete. O deus é misericordioso com seus devotos e impiedoso com os apóstatas. As ideias estígias sobre Seth remontam à imagem de uma divindade antiga, da era turiana, uma criatura conhecida como a “Grande Serpente”, cujo culto, por sua vez, era uma continuação direta do culto ao antigo deus serpente Yig. Portanto, o símbolo mais comum de Set é uma imagem estilizada de uma cobra mordendo sua própria cauda. Já a personificação visível do poder da divindade, segundo os sacerdotes, é um monte de trevas, que toma a forma de uma cobra gigante.


Set, do game da Modiphius. Ilustração: A. Smith.

No entanto, as imagens de deus em forma humana também são frequentes, sem traços serpentinos, e uma lenda apócrifa menciona a passagem dos tempos em que Set ainda não estava excomungado da graça do bom deus solar. Nesta base, pode-se assumir que inicialmente Set era uma divindade separada da Grande Serpente, mas eventualmente identificada com ela. Talvez, nos tempos antigos, Set fosse reverenciado como um veículo para o poder da Serpente, algum tipo de sacerdote divino. Set também é amplamente conhecido fora da Stygia, desempenhando um papel importante nas representações religiosas de outras culturas. Assim, entre os hiborianos, Set é considerado a personificação do mal do mundo, a Velha Serpente, o principal oponente do brilhante deus Mitra. Na mitologia shemita, Seth é o adversário do casal divino, Adonis e Ishtar.


Localidade: Stígia e Reinos Hiborianos

Fonte: "O Deus do Cálice" e a "A Rainha da Costa Negra" de Robert Howard.

Thog de Xhutal, por Buscema e Alcala.

THOG

A divindade demoníaca da cidade de Xuthal. Segundo a lenda, ele vive em uma masmorra abandonada sob a cidade e tem a imagem de uma sombra em forma de polvo ou anfíbio com tentáculos. Talvez Togh seja idêntico à antiga divindade negra, que antes do Cataclismo era chamada de “A Sombra Negra”.


Localidade: Cidade de Xuthal

Fonte: “Xutahl do Crepúsculo” de Robert Howard.


HANUMAN

Deus macaco de Vendya. Duas hipóstases de deus são conhecidas: o Hanuman meditando e Hanuman, o Estrangulador. Um grande templo dedicado à hipóstase escura da divindade está localizado na cidade turaniana de Zamboula, onde o culto a Hanuman tem um peso significativo.


Localidade: Turan e Zamboula

Fonte: “As Negras Noites de Zambula” de Robert Howard.



O deus-dragão Hu.

HU

Na mitologia Khitai, o dragão divino seria o criador do universo. Segundo os monges de Hu, o mundo é mau, uma armadilha para as almas humanas que estão condenadas a um ciclo interminável de reencarnação.


Localidade: Khitai.

Fonte: "A Rainha da Costa Negra" de Robert Howard.


OS QUATRO IRMÃOS

Os Quatro irmãos da noite são divindades supremas nas representações religiosas dos pictos. Acredita-se que os Quatro Irmãos sejam algemados pelo sono eterno em uma cabana enorme. Cobras gigantes trançam as pernas e colocadores de estrelas emaranhados em seus cabelos. Um dos quatro, talvez seja o poderoso Jebbal Sag.


Localidade: Fronteiras pictas do oeste.

Fonte: “Além do Rio Negro” de Robert Howard.


Parte 1

Parte 2


657 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

yag-kosha

Thoth-Amon

bottom of page