Robert Howard & Conan #1 - A Fênix Na Espada

Atualizado: 7 de Abr de 2020

Saiba como se deu o nascimento do personagem mais famoso de Howard, Conan.


por Etienne Navarre

Weird Tales de dezembro de 1932. Aqui foi publicada a primeira história de Conan da Ciméria, de Robert E. Howard.

No início do século XX, durante a era de ouro dos pulps, a Weird Tales se destacou entre outras publicações do mesmo estilo por sua vanguarda e busca por novos talentos. A revista de Chicago publicou os melhores escritores da época: Kafka, Verne, Poe, Lovecraft, C.L. Moore, Aston Smith ou Seabury Quinn.


Entre suas páginas, na edição de dezembro de 1932, havia uma história intitulada The Phoenix on the Sword, estréia de Conan da Ciméria, um novo personagem do texano Robert E. Howard, colaborador regular conhecido por suas histórias do espadachim Solomon Kane, Senhor da Guerra Bran Mak Morn e Rei Kull de Valusia. Ninguém poderia imaginar, vendo aquela revista de dezembro de 1932, o impacto que o cimério teria na fantasia moderna. Ele se tornaria um ícone popular, conhecido mundialmente, esmagando seu criador com sua fama. A imagem arquetípica do herói - um bárbaro forte e musculoso empunhando uma arma de grandes proporções, combatendo criaturas horrendas enquanto protege uma mulher seminua - tem sido fácil de reconhecer nos últimos meio século. Quando a edição de dezembro de 1932 da revista Weird Tales apareceu nas bancas, é improvável que Robert E. Howard (1906-1936) pudesse imaginar que estava fazendo história. A fênix na espada, a introdução de um novo personagem, Conan, havia sido escrita em março daquele ano e, embora o editor Farnsworth Wright pensasse que a história possuía "pontos de verdadeira excelência", isso não foi suficiente para sair na capa. O primeiro relato de Conan foi simplesmente mais um entre muitos outros naquela edição específica de Weird Tales. Não seria ousado afirmar que a maioria do público ignora que Conan nasceu como um personagem literário como James Bond, Tarzan, Sherlock Holmes ou Drácula.



Robert Ervin Howard | Ilustração: Manuel Sanjulian.

Ao contrário dos personagens mencionados anteriormente, o cimério foi apresentado a um público maior de forma distorcida. Lyon Sprague de Camp e Lin Carter foram responsáveis ​​pelo ciclo de doze romances de Conan, e a saga foi remodelada (nunca teve uma ordem cronológica) para conveniência dos editores, intercalando histórias de menor qualidade (obra de outros escritores), pastiches (histórias de Howard adaptadas ao universo híbrido) e colaborações póstumas (histórias texanas concluídas por outros autores). A obra de Howard foi distorcida, tanto na qualidade quanto no conceito original que o próprio autor explicou em uma de suas cartas: “Enquanto escrevia essas histórias, sempre senti como se as estivesse escrevendo enquanto ele me dizia, não como se eu os estivesse criando. Daí a abundância de tempo saltar e, portanto, eles não seguem uma ordem específica. Um aventureiro que recontasse aleatoriamente as aventuras de sua vida não seguiria um plano ordenado, mas narraria episódios de sua vida muito separados um do outro, no tempo e no espaço, como lhe ocorriam”.


A Fênix na Espada


"Conan apoiou-se de costas na parede e ergueu o machado. Erguia-se como uma imagem da força primordial inconquistável: pernas bem afastadas, cabeça jogada para a frente, uma mão agarrando-se à parede, a outra segurando o machado erguido, os grandes músculos salientes como cordilheiras de ferro, e o rosto paralisado num esgar de fúria mortal – os olhos brilhando terrivelmente através da névoa de sangue que os encobria. Os homens hesitaram – embora fossem selvagens, criminosos e dissolutos, mesmo assim pertenciam a uma raça dita civilizada, com uma educação civilizada; à sua frente estava o bárbaro – o matador nato. Eles recuaram – o tigre moribundo ainda era capaz de matar.


A primeira ilustração conhecida de Conan foi feita por Jayhem Wilcox.

Conan sentiu a hesitação deles e abriu um sorriso feroz e sem alegria.


- Quem vai morrer primeiro? – resmungou através dos lábios esmagados e ensangüentados."


O primeiro conto de Conan, A Fênix na Espada, foi amplamente influenciado pela mitologia de Thomas Bulfinch (1796-1867), narra a tentativa de assassinato de conspiradores contra o cimério. Conan se apresenta para nós como um homem maduro e experiente, com princípios fortes, que viveu uma vida cheia de aventura. Como soberano de Aquilônia, ele se vê entediado com seus deveres e sente falta dos tempos selvagens de sua juventude, antes que a coroa se tornasse um fardo. O cimério, em uma demonstração de sobrevivência, tira a máscara de um homem civilizado e libera seus instintos primitivos. Apesar da superioridade numérica esmagadora, ela não desiste a qualquer momento. Seu único desejo é matar o maior número possível de rivais antes que ele morra. O final da história fica aberto ao mistério do sobrenatural. Infelizmente, ele não conseguiu a capa naquele mês. Foi mais uma história entre outras que passaram ao esquecimento absoluto. Parafraseando o Mestre: “A barbárie é o estado natural da humanidade. A civilização, por outro lado, é artificial, é um capricho dos tempos. A barbárie deve sempre triunfar no final”. Brevemente, continuarei falando sobre Howard, Conan e cada uma das suas histórias.


Parte 01

Parte 02

Parte 03

Parte 04

Parte 05

113 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo