Robert Howard & Conan #2 - A Filha Do Gigante De Gelo

Atualizado: 9 de Abr de 2020

Os contos mitológicos que influenciaram o conto "A Filha do Gigante de Gelo".


por Etienne Navarre (baseado no texto "La génesis de Hiboria" de Patrice Louinet)

The Frost-Giant's Daughter | Frank Frazetta

Robert Howard foi um autor incrivelmente versátil que escreveu sobre gêneros e temas diferentes: poesia, aventuras orientais, cruzadas, história, piratas, esportes, mistério, westerns, detetives e terror. Tudo isso se reflete nas histórias de Conan. A criação do personagem absorveu o texano de tal maneira que durante meses de atividade frenética ele foi incapaz de escrever sobre qualquer outra coisa. Durante sua curta vida (1932-1936), o cimério era rei, ladrão, pirata, mercenário, general, explorador, etc... Ele viveu todos os tipos de aventuras em um ritual explosivo de fogo, dinamismo, masculinidade, suor, aço, epicidade sombria e magia. Modelo que, mais tarde, a maioria dos escritores de Espada e Feitiçaria usaria como arquétipo. Howard estava sempre muito à frente de seu tempo. Lembrem-se de que ele foi um dos fundadores (para não dizer pai) da fantasia heróica.


Naquela época, a única maneira de os autores iniciantes ganharem a vida era através de revistas pulps. Howard narrou impulsionado por razões econômicas. Ele se considerava um escritor profissional e sempre considerou as necessidades do mercado. Originalmente "A Fênix na Espada", o primeiro conto de Conan, foi uma reescrita de um conto não publicado de Kull, "Por Este Machado Eu Governo". Fransworth Wright, editor de Weird Tales, havia rejeitado a maioria das histórias de Kull, o Atlante, outro de seus personagens (Howard cometeu o erro de enviá-las todas em 1929) e publicou O Reino das Sombras e Os Espelhos de Tuzun Thune (talvez duas das melhores histórias do texano). Em a "Fenix na Espada", Howard suprimiu a parte romântica da história, substituindo-a por elementos sobrenaturais e eliminou a trama dos conspiradores que apareceram no primeiro capítulo para simplificar a trama. As mudanças funcionaram e a história foi vendida por US $ 85. A fênix na espada é uma das melhores histórias escritas por Howard. Tem todos os seus pontos fortes: magia, emoção, sangue e violência. O texano nos apresenta uma intriga palaciana destinada a aniquilar o cimério, um feiticeiro (Thoth-Amon) ansioso por vingança, uma série de conspiradores movidos pela ganância, idealismo e desejo de poder e aparições espectrais.


Estátua de Atalanta | Museu de Louvre

Seu segundo conto sobre o personagem, "A Filha do Gigante de Gelo", seria também inspirado em uma peça de Thomas Bulfinch. Bem, Atali, de Howard, filha do gigante do gelo, não deve apenas o nome a Atalanta da mitologia grega como Bulfinch nos diz: "A causa inocente de tanto arrependimento foi uma donzela, cujo rosto poderia ser considerado masculino para ser mulher e, ao mesmo tempo, feminino demais para ser homem." Eles haviam lhe contado a boa sorte, e era isso: "Atalanta, não se case; o casamento será sua ruína." Aterrorizada pelo oráculo, ela escapou da sociedade do homem e se dedicou à caça. A todos seus pretendentes (numerosos) ela fez uma condição que, geralmente, conseguiu o milagre de libertá-la de seu assédio: "Eu serei de quem conseguir me derrotar em uma corrida, mas a morte será o castigo daqueles que tentam falhar." Apesar disso, alguns tentaram.


Howard combinou esse esboço com outra lenda famosa que também pode ser encontrada na obra de Bulfinch, a de Dafne e Apolo, apenas revertendo os papéis. Enquanto Apolo era filho de um deus e Daphne uma mulher mortal, Howard fez de Atali uma deusa e Conan um mortal. No original, um cupido havia ferido Apolo com uma de suas flechas para inflamar seu amor por Daphne e ela por outra que o fez renegá-lo. Howard manteve a parte do Apolo enlouquecida de amor (ou melhor, um Conan louco de luxuria) que persegue a garota até que ela invoque a ajuda de seu pai divino: "Apolo a amava e desejava pegá-la. [...] ele foi atrás dela; ela fugiu, mais rápido que o vento, e não perdeu um momento ouvindo seus pedidos. [...] A ninfa continuou sua fuga e deixou os apelos de Apolo meio pronunciados. Quanto mais ela fugia, mais o encantamento crescia. O vento soprava suas roupas e seus cabelos soltos fluíam atrás dela. O deus começou a se cansar de ver seus pedidos rejeitados e, incentivado por Cupido, ele estava ganhando terreno com a garota. Era como um cão de caça à lebre, com as mandíbulas abertas e prontas para morder, enquanto o pequeno animal corria tentando escapar de suas garras." No entanto, o perseguidor é mais rápido e, aos poucos, ele ia ganhando terreno, e ela começa a sentir a respiração dele nos cabelos dela. As forças a abandonam e, à beira de sucumbir, ela invoca seu pai, o deus do rio: "-Ajude-me, Peneus, a abrir a terra para que eu possa me esconder nela, ou mude esta forma que é o que me colocou em perigo!" - Compare com "Oh, meu pai, salve-me!", de Howard.

Apolo e Dafne | Cornelis de Vos which

"O toque de seu belo corpo se contorcendo em seus braços o levou à beira da loucura. Os dedos fortes de Conan mergulharam freneticamente na carne macia e mole ... carne fria como gelo. Era como se ele estivesse abraçando um corpo de gelo em vez do corpo de uma mulher de carne e osso. Ela jogou os cabelos dourados para o lado, tentando evitar os beijos violentos do bárbaro, que machucavam seus lábios vermelhos e carnudos. - Você está com fria como a neve - ele disse - Vou aquecê-la com o fogo do meu sangue..."- Fragmento de A filha do gigante de gelo


Embora pareça incrível, A Filha do Gigante de Gelo foi rejeitado por Fransworth Wright. Longe de desanimar, Howard mudou o nome do protagonista para Amra e o vendeu com o título de "Gods of the North" para Fantasy Fan. Apesar de ser uma das histórias mais bonitas e poéticas do personagem, o dono de Weird Tales não a apreciou, provavelmente por seu conteúdo sexual. A história (também inspirada por Bulfinch) apresenta um jovem cimério no meio de um campo de batalha, cercado por cadáveres e com a espada manchada de sangue. A aparência de uma bela jovem vestida com um véu transparente deixa Conan louco, que, apesar do cansaço e dos ferimentos, não hesita em segui-la pelo deserto de neve.


Nos encontramos novamente com um personagem veemente e indomável que trabalha induzido por seu lado selvagem. A perseguição na neve é ​​um dos melhores momentos da saga, com um cimério jogando espumas de raiva e maldições enquanto ele se aproxima do objeto de seu desejo. A garota provocante continua a zombar dele enquanto o leva a um destino incerto. Por fim, sua vitalidade e capacidade de combate farão com que Conan seja bem-sucedido, onde outros fracassarão. A Filha do Gigante de Gelo (com toda a justiça) merece estar entre as melhores histórias do texano. Depois de enviar A Fênix na Espada e a Filha do Gigante de Gelo para Farnsworth Wright no início de maio de 1932, ele nem esperou para saber se eles haviam sido aceitos para escrever outra grande história, O Deus na Cesta, do qual falarei mais adiante.


Parte 01

Parte 02

Parte 03

Parte 04

Parte 05


97 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo