Robert Howard & Conan #3 - O Deus Na Urna

Atualizado: 9 de Abr de 2020

O terceiro conto sobre Conan criado por Robert E. Howard. O Deus na Urna.


por Etienne Navarre

The God in the Bowl | Mark Schutz

"- Por que existem tantas perguntas e especulações? - O corpulento prefeito interveio. - Este é o culpado, sem dúvida. Vamos levá-lo ao tribunal! Vou fazê-lo confessar lá, mesmo que eu tenha que quebrar seus ossos. - Demétrio olhou para o bárbaro e perguntou: - Você entende o que ele disse? Você tem algo a acrescentar?


- Que o homem que me toca em breve cumprimentará seus ancestrais no inferno - respondeu o cimério com os dentes cerrados e os olhos brilhantes cheios de raiva."


Depois de enviar os primeiros contos de Conan (A Fênix na Espada e a Filha do Gigante de Gelo) para Weird Tales em maio de 1932, Howard escreveu O Deus na Cesta em poucos dias. A vida de Plutarco serviu para o cenário (Roma Imperial) e os nomes dos personagens da história. Howard teve que escrever três versões de O Deus na Cesta antes de ficar satisfeito. Nesse caso, ele pode ter tirado alguns nomes do "Vidas de Plutarco", alguns dos quais ele já havia incluído em uma lista de nomes e países que ele havia preparado enquanto escrevia A Fênix na Espada . Vamos comparar os nomes de Plutarco com os de seus equivalentes na história de Howard: Oenarus (Enarus), Demetrius (Demetrio: na primeira versão do conto, Howard usou Demetrius erroneamente três vezes), Postumius (Postumus), Dion (Dionus) , Areus (Arus), Deucalião (Deucalião nas notas, Kallian [público] no texto) e Petino (como [Aztrias] Petanius). A história se passa em Numalia (Plutarco menciona Numantia) e não há dúvida de que a Via Palia corresponde à Via Ápia.


The God in the Bowl | Mark Schutz

No conto de Howard, um adolescente bárbaro tem uma surpresa inesperada e desagradável quando se prepara para roubar uma mansão na Nemédia. Pela primeira (e última) vez na série, o enredo é de intriga dos detetives. Temos um cadáver, guardas armados, aristocratas e um item misterioso trazido da Estígia distante. Conan, como não poderia ser de outro modo por causa de sua idade, se apresenta para nós como um indivíduo selvagem, desajeitado e impetuoso, pronto para canalizar qualquer um que se atreve a pôr a mão nele. O cimério tem pouco (ou nada) a ver com os indivíduos civilizados ao seu redor. Seu dinamismo faz com que se destaque entre os brutos, de coração fraco e estúpido. Howard critica uma sociedade corrupta capaz de condenar inocentes desde que uma parte culpada imponha "justiça".


O deus na cesta é uma grande história que levou uma eternidade para ver a luz. Assim como a Filha do Gigante de Gelo, Farnsworth Wright a rejeitou por ser muito experimental. Talvez por esse motivo o autor não tenha escrito mais nada parecido. Ele tinha que ganhar dinheiro para viver. Ele não podia se dar ao luxo de não vender suas histórias. Felizmente, o tempo fez justiça a essa excelente história. Howard estava escrevendo essas histórias em rápida sucessão, e ciente de que a nova série tinha potencial, ele começou a escrever o que se tornaria A Era Hiboriana. O ensaio exigiu quatro versões sucessivas antes de ser inteiramente do seu agrado. A partir de um breve esboço de duas páginas, logo evoluiu para um ensaio de oito mil palavras, enriquecido em cada versão sucessiva. Ao longo dos anos, a idéia de que Howard havia escrito A Era Hiboriana e depois as histórias se espalhou bastante, principalmente por causa das explicações ambíguas do autor sobre o assunto: "Quando comecei a escrever as histórias de Conan, há alguns anos, preparei a 'história' de sua época e dos povos de sua época, a fim de dotar o personagem e a saga de maior realismo".


Embora ninguém possa negar que Howard já tinha alguma idéia de como seria seu mundo a partir da Era Hiboriana, não houve tentativa de sistematização até depois que as três primeiras histórias foram escritas. Pouco depois de completar esses documentos, Howard escreveu um esboço para um novo conto de Conan. No final, porém, ele decidiu não continuar a história, provavelmente por causa das notícias de Farnsworth Wright. Alguns dias depois, em abril de 1932, ele escrevia para Lovecraft: "Eu tenho trabalhado em um novo personagem de uma nova era: a Era Hiboriana, que os homens esqueceram, mas que vivem em nomes clássicos e em mitos distorcidos. Wright rejeitou a maioria das histórias, mas eu vendi uma para ele: A Fênix na Espada, que conta as aventuras do rei Conan, o cimério, no reino da Aquilônia." Por "a maioria das histórias", Howard queria dizer A Filha do Gigante de Gelo e O Deus na Cesta. Howard descobrira que a nova saga tinha um potencial ilimitado. Nos meses seguintes, seu trabalho se cristalizou em A Era Hiboriana, o mundo de fantasia inspirado em civilizações antigas que o levariam à fama. Próxima postagem: A Era Hiboriana.


Parte 01

Parte 02

Parte 03

Parte 04

Parte 05

90 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo